Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Teresa Araújo, Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.


Segunda-feira, 27.03.17

É preciso responsabilizar para preservar o lobo

IMG_0157.JPG

Não há volta a dar. O debate sobre o lobo-ibérico vai sempre “desembocar” na necessidade de fazer coexistir o pastoreio com o maior predador terrestre da região. A conferência que o investigador Francisco Álvares, sob organização da associação Soajo em Movimento ConVida, dinamizou, no passado dia 26 de março, em Soajo, centrou-se, fatalmente, em torno desta dialética.

Segundo o biólogo do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO), da Universidade do Porto, “tem de haver uma mudança de paradigma se quisermos manter a população do lobo e os efetivos pecuários com condições”. Mas a presença do lobo, em territórios como o “coração” do Parque Nacional, onde os hábitos culturais de coexistência se perderam nas últimas décadas, esbarra contra as atividades humanas.

Noutros tempos, no extremo setentrional da Península Ibérica, o lobo-ibérico tinha como "prato" preferido as presas silvestres (como o veado, o corço e a cabra-montês), mas, devido ao desaparecimento ou rarefação destas, procedeu-se à reorganização do ecossistema no Parque Nacional, e o gado em pastoreio extensivo passou a estar no centro da cadeia alimentar da população lupina.

Entretanto, as presas silvestres estão de regresso ao Parque Nacional. “Mas o problema é que estes ungulados estão a povoar uma paisagem muito mal tratada, toda calcinada, e sem praticamente manchas florestais, pelo que, nas atuais condições, é muito difícil ter populações abundantes de presas silvestres no interior da referida área protegida”, lamenta Francisco Álvares.

Apesar dos constrangimentos, segundo o investigador, “é possível atingir uma medida de sustentabilidade entre a conservação do lobo e as atividades humanas, mas, devido à subsidiodependência, este equilíbrio está complemente esquecido e estamos num sistema quase artificial, que não é sustentável”.

Desde que foi publicada legislação para a proteção do lobo-ibérico pouco ou nada mudou. Os criadores queixam-se “sempre das insuficientes compensações”. Porém, segundo Francisco Álvares, as medidas obrigatórias de proteção do gado também não são cumpridas por muitos produtores. “A vigilância é quase nula e, neste contexto, os ataques do lobo são frequentes e, claro, daí, vem este conflito intenso”, sustentou o investigador, lembrando que “um rebanho [ou manada] de cinquenta cabeças tem de ser guardado por pastor e cão de gado”.

“É preciso responsabilizar e apoiar os criadores de gado para a utilização de medidas de prevenção de ataques, da mesma maneira que nenhum seguro paga os prejuízos de assalto a casa quando o proprietário da habitação é pouco zeloso”, compara.

 

O que revelam os estudos

No Alto Minho, há duas décadas que se estuda uma população de lobos. A investigação do CIBIO mostra que a adaptação do predador carnívoro é extremamente complexa. Nas localidades onde o gado errante apascenta livremente os ataques do lobo são muito frequentes.

As investidas sobre o gado têm explicações racionais. O lobo, “que não é um matador”, é um predador “oportunista” e “inteligente”, razão por que caça as presas abundantes e mais fáceis de intercetar, neste caso os animais domésticos. Porém, o ataque a bovinos representa sempre um “conflito social, económico e emocional”, e a animosidade contra o predador vem por arrasto.

A retaliação dos produtores aos ataques do lobo está “medida” em números. De acordo com o Sistema de Monitorização de Lobos Mortos, entre 1999 e 2011, foram mortos cerca de oitenta lobos. E, segundo dados do CIBIO, sete dos 17 lobos marcados com coleira GPS, para investigação, nos últimos dez anos, foram abatidos por ação humana, a maioria dos quais numa alcateia situada a norte de Paredes de Coura.

O último episódio remonta há cerca de uma semana. Um lobo que estava a ser monitorizado por telemetria foi morto a tiro. “Encontrámos o colar [do lobo que estava a ser seguido] cortado e escondido por baixo de uma pedra num ribeiro”, revela o investigador.

Há muitos lobos a morrer por laço, veneno e tiro (o atropelamento acidental é a principal causa de morte conhecida). Mas a grande maioria dos casos não resulta em processo-crime ou é arquivada pelo Ministério Público. “Em quase três décadas de lei (o lobo é protegido desde 1988), só houve dois casos de punição: um a sul do Douro, o outro numa montaria ao javali em zona de caça no interior do PN”. Neste caso, o culpado pagou uma coima de 300 euros, um “valor ridículo para dissuadir comportamentos destes e criar uma consciência responsável”, diz Francisco Álvares, para quem “o lobo é uma arma de arremesso e um bode expiatório para os produtores por a ruralidade estar a perder-se”.

A nível nacional, estima-se que existam trezentos lobos, distribuídos por sessenta alcateias. No Alto Minho, as alcateias de Soajo e do Vez, em zonas altaneiras, “têm mais tranquilidade e são as mais estáveis, muito à custa do alimento que há, sobretudo animais domésticos”, explica Francisco Álvares.

Com variações de região para região, cerca de 40% da população lupina, em Portugal, é morta anualmente por ação humana.

 

Predação do lobo

Arcos de Valdevez é um dos concelhos mais afetados pela ação predatória do lobo sobre animais de pastoreio. Só neste mês de março, pelo menos em Soajo, foram mortos mais dois bovinos por investidas do lobo. O casal de produtores, António e Teresa Cerqueira, com um histórico de prejuízos, já desencadeou o processo burocrático para efeitos de indemnização.

A equipa de averiguação do ICNF teve de analisar as carcaças para confirmar o ataque de lobo (e não de cães assilvestrados ou outra causa de mortalidade), requisito fundamental para validação da queixa dos proprietários.

Entretanto, de acordo com o ICNF, de janeiro de 2015 a janeiro de 2016, foram identificados 1272 ataques e confirmados 1831 animais (entre ovinos, bovinos, caprinos, equinos e caninos) abatidos por ataques do lobo. Mas, em certos anos, o número de ataques que é atribuído ao lobo anda por 2500, sendo que o Estado gasta uma média de 800 mil euros/ano em compensações.

imgpsh_fullsize (4).jpg

 

Três perguntas a Francisco Álvares

IMG_0181.JPG

 

“Paisagem bem conservada é o símbolo que o lobo pode ter”

  1. O que é preciso fazer para reduzir a predação do lobo e esbater o conflito entre as atividades humanas e a presença do lobo?

A resposta não é simples… Desde logo, ações de sensibilização são importantes… Para atingir uma coexistência sustentável, tem de haver compromissos de toda a sociedade e um conjunto de medidas como o ordenamento do pastoreio, a criação de condições para o aumento das presas silvestres e a aposta efetiva na prevenção de incêndios e fomento florestal. Mas nunca é de mais insistir na responsabilização dos proprietários, a quem compete a proteção do gado (confinamento, uso de cão de gado eficiente como o sabujo…) e a implementação de boas práticas, nomeadamente a redução da distância das áreas de pastoreio aos locais de confinamento.

  1. O lobo é um indicador do que é uma paisagem bem ou mal preservada. No atual contexto, em que medida o lobo corre sério risco de extinção?

Se aquilo que as pessoas locais pretendem é uma paisagem cada vez mais queimada, onde a biodiversidade desaparece, o pastoreio de gado é dominante e o número de cabeças [de gado] contrasta com a reduzida área de pasto, então, neste quadro, o lobo não tem lugar.

Mas, numa paisagem bem gerida, em que o gado é bem guardado e os animais silvestres são em bom número, aí, o lobo tem todo o cabimento. O lobo só pode existir numa paisagem em que haja espaço para ele viver e alimento para ele subsistir.

  1. O que é que deveria simbolizar o lobo numa área de proteção, que está longe de o ser?

Todos nós gostamos de chegar a um sítio em que se veja uma paisagem bem conservada. Este é o símbolo que o lobo pode ter. Além disso, o lobo é uma espécie-chave na biodiversidade regional e na identidade da cultura popular.

IMG_0162.JPG

IMG_0157.JPG

IMG_0142.JPG

IMG_0174.JPG

IMG_0195.JPG

IMG_0171.JPG

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:34

Sexta-feira, 24.03.17

Neve na primavera

IMG_0128.JPG

A neve que caiu na madrugada do dia 23 de março cobriu de branco os lugares e sítios mais altos de Soajo. Apesar disso, as estradas estiveram sempre transitáveis.

Depois de dias soalheiros, o “pulmão” do Parque Nacional é confrontado com um raro fenómeno meteorológico: neve na primavera. A serra de Soajo e o Mezio ficaram "decorados" de branco, como as fotos bem documentam. Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, a neve que caiu deveu-se à conjugação de precipitação com temperaturas baixas.

A despeito do nevão, a circulação automóvel fez-se sem percalços. O soajeiro Joaquim Franqueira relatou ao blogue Soajo em Notícia a sua experiência. “Apesar da muita neve que caiu, não tive problemas em fazer, hoje [quinta-feira, 23 de março], a viagem da Várzea aos Arcos”. E o dia de aulas decorreu normalmente para a população escolar que se deslocou para a sede do concelho.

Embora as previsões apontassem neve a cotas relativamente baixas, poucos curiosos acorreram à serra para descobrir o prazer de mexer na neve em finais de março. Talvez por ser dia de trabalho e pelo inesperado da situação.

Mas o ótimo é “inimigo” do bom e, nos casos em que a neve se fixou no solo, há o receio de as folhosas plantadas, em tempos recentes, no Mezio, terem sofrido “queimaduras” irreversíveis.

A quem interessa desinformar?

Alguns órgãos de comunicação social teimam em repetir erros grosseiros, confundindo freguesias com lugares e sítios.

Ora, o Mezio, ao contrário do que tem sido escrito, não é freguesia de Arcos de Valdevez, mas, sim, um sítio-tesouro de Soajo.

IMG_0112.JPG

IMG_0101.JPG

17424984_10210066821561051_2582779458377272069_n.j

17426303_10210066821161041_4332535684056198674_n.j

17426008_10210066821681054_8690330297415531072_n.j

17424883_10210066821481049_8571438746706220992_n.j

IMG_0107.JPG

IMG_0104.JPG

IMG_0115.JPG

IMG_0126.JPG

IMG_0131.JPG

17426303_10210066821161041_4332535684056198674_n (

 Fotos: Blogue Soajo em Notícia e Teresa Cerqueira.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:32

Quinta-feira, 23.03.17

Soajo e Cabana Maior disputam limites de área baldia em tribunal

thumbnail_baldios2.jpg

Estava anunciada uma luta em tribunal interposta pelos Baldios de Soajo contra os Baldios de Cabana Maior, mas estes já avançaram, há meses, com uma participação judicial.

À parte esta diligência processual, a Assembleia de Compartes dos Baldios de Soajo, reunida no passado dia 17 de março, “autorizou o Conselho Diretivo a definir a área de baldio de Soajo”, mas o processo vai conflituar com o parcelário reclamado pelos Baldios de Cabana Maior.

Para o órgão de gestão dos Baldios de Soajo, os congéneres de Cabana Maior “estão a entrar nos baldios de Soajo”, alegadamente porque “alguém andou a mexer no parcelário”, apesar de “os limites dos baldios de Soajo e Cabana Maior serem os mesmos de sempre”, assegura um dirigente do Conselho Diretivo dos Baldios de Soajo. No entanto, o presidente do Conselho Diretivo dos Baldios de Cabana Maior nega ter anexado baldio de Soajo – “os compartes de Cabana Maior não se apropriaram de nada” – e defende que “o parcelário é o que está marcado, há muito tempo, pelo ICNF”, sustenta Joaquim Campos.

Mas recordemos o que está, aqui, em equação. Os limites das freguesias de Soajo e Cabana Maior são distintos dos dos baldios. Ou seja, uma e outra coisa são diferentes. Segundo defende o Conselho Diretivo dos Baldios de Soajo, a divisão administrativa entre as duas freguesias “é feita, sensivelmente, pelo estradão do Gião e pelo estradão que sobe em direção a Bouças Donas”, não sendo esta demarcação, segundo os soajeiros, nada coincidente com os limites das respetivas áreas baldias.

Só que os Baldios de Cabana Maior alegam “haver um erro na Carta Administrativa”, que “tem de ser corrigido”, e acusam os homólogos de Soajo de quererem “alterar à força o parcelário dos baldios com base em equívocos da Carta Administrativa”.

“Nós, Baldios de Cabana Maior, apresentámos, em reunião, o levantamento feito pelos idosos de Cabana Maior e Soajo, assim como os dados recolhidos na Torre do Tombo, mas, em Soajo, existe um problema de pessoas”, lamenta Joaquim Campos.

As posições estão completamente extremadas e, na atual “anarquia”, os Baldios de Cabana Maior e os de Soajo vão lutar pelos respetivos interesses. Os primeiros até já desencadearam uma batalha judicial, enquanto os Baldios de Soajo têm vindo a encetar “contactos com a Sala de Parcelário”, segundo adiantou a este blogue Cristina Martinho, presidente do Conselho Diretivo dos Baldios de Soajo.

Devidamente mandatados pelos compartes, os Baldios de Soajo promoveram, no dia 21 de março, uma reunião com interlocutor de Parcelário, para certificar os limites dos baldios, mas o encontro revelou-se inconclusivo, por falta de cartografia do baldio.

Seguir-se-á, a curto prazo, nova reunião, desta vez em Ponte de Lima, onde deverão ser solicitados pelos Baldios de Soajo “os documentos entregues em tempos recentes” para justificar o parcelário integrado em Cabana Maior, tendo os queixosos a “convicção de que, por exemplo, uma zona entre o Mezio e a Travanca, que abrange uma área de 150 hectares, é pertença de Soajo”. Mas, como seria de esperar, Joaquim Campos, sobre isto, tem uma posição discordante.

Por isso, os técnicos credenciados da Sala de Parcelário deverão chamar, depois, os Baldios de Cabana Maior, mas o entendimento parece fora de questão.

“O que vai acontecer é que toda a área que está em litígio não pode estar sujeita a projeto. Seja para aquilo que for”, diz o Conselho Diretivo dos Baldios de Soajo, que quer “definir limites e acabar com as verbas cativas por causa desta situação”.

Por consequência, está em risco o projetado Parque Biológico do Mezio, que, segundo o plano, cobre uma área de dez hectares. “Há muitas confusões que não aceitamos, pois o território do anunciado Parque [com dois parques interpretativos, o da flora e o da fauna] é nosso, pelo que este projeto não pode avançar naquilo que é de Soajo”, acrescenta o Conselho Diretivo dos Baldios de Soajo, que recusa “coelheiras” em área baldia de Soajo.

 

Motivações em conflito

Esta disputa, na essência, tem três motivações: uma de natureza legal, outra afetiva (ligada às raízes) e uma terceira material. É que as verbas cativas (alienação de lotes de madeira, por exemplo) são apetecíveis e ninguém está disposto a abdicar delas.

A justiça portuguesa é lenta e o litígio quanto aos limites territoriais da área do baldio é de extrema complexidade. “Queremos e vamos fazer o que for preciso para pôr um fim a este diferendo”, atalha Cristina Martinho. Mas “é um processo que vai durar uns dez anos”, conclui Joaquim Campos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:32

Quarta-feira, 22.03.17

Baldios e ARDAL apresentam candidatura conjunta para valorização de património

IMG_2641.JPG

Segundo foi adiantado em reunião ordinária da Assembleia de Compartes, no passado dia 17 de março, os Baldios da Freguesia de Soajo, em parceria com a ARDAL, vão candidatar a financiamento dois projetos complementares para aproveitamento dos valores ambientais e recuperação de infraestruturas danificadas.

A ação tem em vista a criação do anunciado trilho da Levada dos Martinhos e, em paralelo, a recuperação da Casa florestal de Ramil, que servirá de apoio a caminheiros.

Integrado neste trilho, o segundo projeto engloba a construção de um passadiço entre o Poço das Canejas e o Poço Negro. No âmbito desta intervenção, está, igualmente, pensada a recuperação da estrutura de amparas (madeiramento) no acesso que conflui para o Poço Negro, além de melhoramentos no acesso (da estrada) ao Poço do Bento.

Posteriormente, será promovida iniciativa tendente à ligação entre os moinhos de Cunhas (Ladeira) e o Poço Negro.

IMG_0069.JPG

IMG_0065.JPG

IMG_0074.JPG

 Centro interpretativo do lobo-ibérico em estudo

Está em cima da mesa a criação de um Centro interpretativo do lobo-ibérico, aproveitando, eventualmente, uma das casas florestais devolutas.

“Pessoalmente, prefiro que este projeto seja enquadrado em Soajo, para que as pessoas venham, fiquem e consumam aqui”, diz António Amorim.

O Centro interpretativo, como o nome indica, tem uma função pedagógica e a ele estará consagrada a promoção da biodiversidade através do longo historial do lobo enquanto elemento de coexistência com o pastoreio.

Sobre o lobo-ibérico, a associação Soajo em Movimento ConVida vai dinamizar, este domingo, 26 de março (14.30), no salão da Casa do Povo, uma prometedora conferência com Francisco Álvares, conhecido biólogo que se tem dedicado ao estudo da vida selvagem daquele animal.

Deliberações da Assembleia de Compartes

À parte estes projetos (alguns dos quais discutidos e votados anteriormente), as contas referentes a 2016, sobre as quais o Conselho Fiscal já tinha emitido parecer positivo, foram apresentadas, na referida Assembleia de 17 de março, com bastante detalhe, pela presidente do Conselho Diretivo dos Baldios, tendo todos os compartes presentes aprovado o Relatório.

O total de receita arrecadada, em 2016, foi de, sensivelmente, 176 400 euros. A maior “fatia” de despesa prendeu-se com salários e Segurança Social da equipa afeta aos sapadores florestais.

Por unanimidade também, foi aprovado o pedido de viabilização do polígono pecuário em Paradela.

IMG_9712.JPG

IMG_9713.JPG

IMG_9718.JPG

Informações de interesse geral

Com vista à recuperação do imenso património existente, os Baldios revelam recetividade para reabilitar espaços como os cortelhos, mas o desafio, também, é alargado aos compartes. De igual modo, a Casa da Cova é outro equipamento suscetível de melhoramentos.

Noutro âmbito, o Conselho Diretivo dos Baldios de Soajo comunicou que o gerente do Hotel do Mezio, Carlos Moura Guedes, “se mostrou disponível para pagar, de vez, o valor de renda em dívida”, tendo ficado acordado o pagamento de 18 mil euros, verba que corresponde a 2 mil euros/ano entre 2012 e 2014 e a 4 mil euros/ano entre 2015 e 2017. O dinheiro, caso o compromisso seja a valer, deverá entrar na conta dos Baldios no próximo dia 24 de março (esta quinta-feira).

Em relação aos restantes incumprimentos, o empresário hoteleiro comprometeu-se a construir a obrigatória ETAR, que, segundo garantiu, “irá funcionar de acordo com as normas e será monitorizada de mês a mês por entidade competente para o efeito”.

Entretanto, as obras de alargamento e requalificação do Hotel do Mezio arrancam no próximo mês de abril… mas até lá falta saber se as mais recentes promessas vão mesmo ser concretizadas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:27

Terça-feira, 21.03.17

Oficina de cianotipia revelou autodidata rendido à fotografia e a Soajo

IMG_0061.JPG

Sob organização de Soajo em Movimento ConVida, a Tasquinha da Capela acolheu, no passado dia 19 de março, uma sessão de cianotipia, ministrada pelo técnico Rodolfo Oliveira, das Oficinas TK.

Sob o lema “recordar ideias” e “perpetuar formas”, foi abordado, para uma plateia interessada, o processo de cianotipia na íntegra, “desde os compostos que são utilizados à maneira como se faz a preparação da emulsão, ou como esta solução é aplicada e os tipos de suportes que podemos usar, bem como as experiências que podem ser feitas”, disse ao blogue Soajo em Notícia Rodolfo Oliveira, simpático lisboeta, rendido aos encantos de Soajo (ler entrevista).

Nesta oficina, foram realizados alguns cianótipos, tendo a impressão sido feita com recurso a fotogramas, “maneira direta de fazer imagens através de silhuetas de plantas e/ou objetos que não deixam passar determinada luz”, segundo o “mestre” convidado.

Rodolfo Oliveira, com formação (incompleta) em fotografia, é, sobretudo, um autodidata. Dedica-se à cianotipia há 12 anos.

 

Entrevista com Rodolfo Oliveira: “A cianotipia é uma porta de entrada para a fotografia”

IMG_0049.JPG

O que é a cianotipia?

É um processo de impressão fotográfica do século XIX. É uma técnica de impressão fotográfica muito interessante e acessível. Costumo dizer que é uma porta de entrada para a fotografia, porque usa químicos muito pouco tóxicos. Além disso, é uma técnica de introdução que pode ser ensinada a todos os públicos. E, por ser uma técnica barata, favorece a aprendizagem por tentativa e erro.

A quem costuma dar formação?

Dou formação a grupos heterogéneos e não a grupos de especialistas como alunos de Belas Artes ou Fotografia.

Fale das Oficinas TK.

É um projeto pessoal, nome genérico que engloba várias veias expressivas.

Quando comecei, decidi dedicar-me à produção de artigos impressos em cianotipia, artigos feitos em gravura ou xilogravura. Tenho uma microeditora onde faço traduções, impressões de livros e encadernação, enfim, processos manuais com tiragens muito pequenas.

Do que já conhece, o que é que destaca de Soajo?

Não conhecia Soajo, mas estou a gostar muito. O mínimo que posso dizer é que as pessoas têm sido todas muito hospitaleiras e simpáticas. Além do aspeto turístico, Soajo é muito bonito e tem uma arquitetura muito própria. Mas a bondade das pessoas é o que mais sobressai.

Vivo na cidade (Porto), mas identifico-me muito com a montanha. Vim de Lisboa para o Porto à procura de qualidade de vida e calma, e encontrei-as na Invicta, mas Soajo é outro paradigma.

Não interagi muito com a gastronomia local, é certo, porque sou vegetariano, mas já comi produtos locais (hortícolas e legumes) plantados pelos meus amigos.

IMG_0030.JPG

IMG_0039.JPG

IMG_0034.JPG

IMG_0036.JPG

IMG_0038.JPG

IMG_0059.JPG

IMG_0052.JPG

IMG_0062.JPG

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:38


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031