Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.



Sexta-feira, 31.03.17

Agenda para um fim de semana fora de casa sem sair de Soajo

Agendas.jpg

Faça chuva ou faça sol, não vão faltar boas razões para sair de casa este fim de semana, 1 e 2 de abril. O Instituto Português do Mar e da Atmosfera prevê um sábado com aguaceiros dispersos e um domingo soalheiro para o território de Soajo.

Da caminhada ao curso de permacultura, da Assembleia de Freguesia a uma oficina de enxertia, sem esquecer novo ensaio do Rancho Folclórico das Camponesas da Vila de Soajo (esta sexta-feira, 31 de março, pelas 21.00), as propostas deixam antecipar um fim de semana variado, a ver pela lista que se segue.  

 

. Oficina de poda e enxertia

Sob organização da associação Soajo em Movimento ConVida, o convidado Raul Rodrigues, professor na Escola Superior Agrária de Ponte de Lima (com doutoramento em Ciências Agrárias), promete, este sábado, 1 de abril (10.00, no salão da Casa do Povo), uma interessante sessão teórico-prática à volta das técnicas de poda e enxertia.

Quem for pode levar tesouras ou navalhas para experimentar e dar largas à técnica.

Sob proposta dos promotores, o grupo come e partilha, em jeito de piquenique, a merenda que leva.

 

. Práticas de permacultura

O curso, monitorizado por Yassine Benderra e Joana Costa, arranca este fim de semana (1 e 2 de abril, em Soajo), com a lecionação do primeiro módulo (agricultura permanente).

O segundo módulo, alusivo à água, realiza-se nos dias 15 e 16 abril.

A ecoconstrução é o tema do terceiro módulo a decorrer no fim de semana de 29 e 30 de abril.

O curso finaliza nos dias 13 e 14 de maio com o módulo relativo à vivência comunitária.

 

. Assembleia de Freguesia

Numa altura em que o mandato dos eleitos em 2013 caminha a passos largos para a reta final (as próximas autárquicas realizam-se no próximo dia 1 de outubro), o órgão deliberativo reúne-se este sábado, 1 de abril, pelas 18.00, no Salão S. José (Centro Paroquial e Social de Soajo).

Da ordem de trabalhos constam os seguintes pontos: apresentação de contas; proposta de autorização para colocação de sinalização da vila de Soajo no Mezio em pedra com as inscrições “Bem-vindo a Soajo” e “Obrigado pela sua visita”; e proposta de autorização de um abrigo para os veículos dos Baldios de Soajo.

 

. Caminhada de primavera

A proposta da empresa Soajo Nomadis, de Manuel Lage, consiste em caminhar, no dia 2 de abril (domingo), pela serra de Soajo. O grupo sai do Largo do Eiró para trilhar um caminho paradisíaco de oito quilómetros, de fácil travessia.

A atividade, por 8 euros, inclui lanche com produtos soajeiros, guia e seguro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:24

Quinta-feira, 30.03.17

Expansão da acácia no Parque Nacional preocupa ambientalistas

1920-Acacia-dealbata-Gaulois.jpg

Alerta SOS. Segundo a organização ambientalista Quercus, a acácia (mimosa) continua a propagar-se no território do Parque Nacional (PN) e, neste contexto, são sugeridas medidas de combate à espécie.

A Quercus pretende que se faça “a erradicação de novos focos de invasão”, mas avisa que, primeiro, é preciso “controlar ou eliminar as populações de invasoras já estabelecidas”.

A referida organização identifica a mimosa (Acacia dealbata) e a acácia-de-espigas (Acacia longifolia) como as espécies mais estabelecidas no PN (encontram-se em flor nesta época do ano, sensivelmente até maio). A mimosa, estima a Quercus, “ocupa já mais de mil hectares no PN, mas esta área poderá ser muito maior, uma vez que não há medições atualizadas das áreas infestadas”, lê-se no comunicado publicado no passado dia 20 de março.

Com os incêndios a fustigar imensas manchas florestais, “paira no ar” a ameaça de uma paisagem estéril e dominada pelas mimosas. Estas encerram vários perigos, nomeadamente a produção de uma quantidade significativa de massa combustível, que, acumulada no solo, funciona como um “rastinho” ao avanço das chamas. E, além disso, as acácias matam as espécies autóctones e reduzem a disponibilidade de água para outras espécies.

Segundo a Quercus, a facilidade de expansão das mimosas agrava o cenário. “Estas plantas invasoras deixam nos solos milhões de sementes por hectare e que se mantêm com vida durante décadas, estando prontas a germinar em qualquer altura, em especial após os incêndios”.

Só com mais investimento, aposta forte na erradicação das mimosas e campanhas de sensibilização é que as preocupações da Quercus surtirão efeito no futuro.

 

O que cada um de nós pode fazer

O projeto “Invasoras.pt”, a funcionar desde fevereiro, depende da boa vontade dos cidadãos. O “mapa de avistamentos”, com a ajuda dos moradores, ajuda a identificar estas espécies invasoras.

Com a ajuda da Quercus, fique a conhecer as acácias mais frequentes no PN:

. Mimosa (Acacia dealbata): mede até 15 metros, com folhas perenes e verdes-acinzentadas e flores amarelo-vivas.

Acacia_dealbata-1.jpg

. Acácia-de-espigas (Acacia longifolia) arbusto ou pequena árvore perene, com espigas amarelo-vivo e muito encontrada em dunas.

L.jpg

As acácias são originárias do sul da Austrália.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:28

Quarta-feira, 29.03.17

Aberto concurso para constituição de novas equipas de sapadores florestais

IMG_1002.JPG

Está dado o primeiro passo para a criação de novas brigadas florestais. Através do Despacho n.º 2434-B/2017, foi aberto concurso para a constituição de vinte equipas de sapadores florestais no território do Continente.

Com base no Inventário Florestal Nacional, e considerando a relação de área de intervenção afeta a cada brigada com a taxa de ocupação florestal, Soajo deverá ser contemplado com uma nova equipa de cinco elementos especializados, que se juntará à existente, com o objetivo prioritário de prevenir incêndios florestais e preservar as riquezas naturais que povoam o Parque Nacional.

De acordo com o Despacho, publicado no passado dia 21 de março, “o Plano Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios prevê o aumento do contributo das equipas de sapadores florestais para a minimização do risco de incêndio e diminuição de área ardida, estando a articulação da sua intervenção com as restantes estruturas de defesa do património florestal definida no Sistema de Defesa da Floresta contra Incêndios”.

O custo estimado, pela tutela, para a constituição das vinte equipas previstas é de 1,3 milhões de euros, valor financiado pelo Fundo Florestal Permanente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:31

Terça-feira, 28.03.17

Ampliação da rede de saneamento de água

IMG_8029.JPG

Depois da solicitação feita por 17 proprietários de Reigada, Chedas e Eiras (Vilar de Suente), o Município de Arcos de Valdevez autorizou, por unanimidade, a adjudicação da obra de ampliação da rede de abastecimento de água pública. A deliberação foi tomada, esta segunda-feira, 27 de março, em reunião de Câmara.

A empreitada implica um investimento de 22 350 euros (sem IVA).

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:34

Segunda-feira, 27.03.17

É preciso responsabilizar para preservar o lobo

IMG_0157.JPG

Não há volta a dar. O debate sobre o lobo-ibérico vai sempre “desembocar” na necessidade de fazer coexistir o pastoreio com o maior predador terrestre da região. A conferência que o investigador Francisco Álvares, sob organização do projeto Soajo em Movimento ConVida, dinamizou, no passado dia 26 de março, em Soajo, centrou-se, fatalmente, em torno desta dialética.

Segundo o biólogo do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO), da Universidade do Porto, “tem de haver uma mudança de paradigma se quisermos manter a população do lobo e os efetivos pecuários com condições”. Mas a presença do lobo, em territórios como o “coração” do Parque Nacional, onde os hábitos culturais de coexistência se perderam nas últimas décadas, esbarra contra as atividades humanas.

Noutros tempos, no extremo setentrional da Península Ibérica, o lobo-ibérico tinha como "prato" preferido as presas silvestres (como o veado, o corço e a cabra-montês), mas, devido ao desaparecimento ou rarefação destas, procedeu-se à reorganização do ecossistema no Parque Nacional, e o gado em pastoreio extensivo passou a estar no centro da cadeia alimentar da população lupina.

Entretanto, as presas silvestres estão de regresso ao Parque Nacional. “Mas o problema é que estes ungulados estão a povoar uma paisagem muito mal tratada, toda calcinada, e sem praticamente manchas florestais, pelo que, nas atuais condições, é muito difícil ter populações abundantes de presas silvestres no interior da referida área protegida”, lamenta Francisco Álvares.

Apesar dos constrangimentos, segundo o investigador, “é possível atingir uma medida de sustentabilidade entre a conservação do lobo e as atividades humanas, mas, devido à subsidiodependência, este equilíbrio está complemente esquecido e estamos num sistema quase artificial, que não é sustentável”.

Desde que foi publicada legislação para a proteção do lobo-ibérico pouco ou nada mudou. Os criadores queixam-se “sempre das insuficientes compensações”. Porém, segundo Francisco Álvares, as medidas obrigatórias de proteção do gado também não são cumpridas por muitos produtores. “A vigilância é quase nula e, neste contexto, os ataques do lobo são frequentes e, claro, daí, vem este conflito intenso”, sustentou o investigador, lembrando que “um rebanho [ou manada] de cinquenta cabeças tem de ser guardado por pastor e cão de gado”.

“É preciso responsabilizar e apoiar os criadores de gado para a utilização de medidas de prevenção de ataques, da mesma maneira que nenhum seguro paga os prejuízos de assalto a casa quando o proprietário da habitação é pouco zeloso”, compara.

 

O que revelam os estudos

No Alto Minho, há duas décadas que se estuda uma população de lobos. A investigação do CIBIO mostra que a adaptação do predador carnívoro é extremamente complexa. Nas localidades onde o gado errante apascenta livremente os ataques do lobo são muito frequentes.

As investidas sobre o gado têm explicações racionais. O lobo, “que não é um matador”, é um predador “oportunista” e “inteligente”, razão por que caça as presas abundantes e mais fáceis de intercetar, neste caso os animais domésticos. Porém, o ataque a bovinos representa sempre um “conflito social, económico e emocional”, e a animosidade contra o predador vem por arrasto.

A retaliação dos produtores aos ataques do lobo está “medida” em números. De acordo com o Sistema de Monitorização de Lobos Mortos, entre 1999 e 2011, foram mortos cerca de oitenta lobos. E, segundo dados do CIBIO, sete dos 17 lobos marcados com coleira GPS, para investigação, nos últimos dez anos, foram abatidos por ação humana, a maioria dos quais numa alcateia situada a norte de Paredes de Coura.

O último episódio remonta há cerca de uma semana. Um lobo que estava a ser monitorizado por telemetria foi morto a tiro. “Encontrámos o colar [do lobo que estava a ser seguido] cortado e escondido por baixo de uma pedra num ribeiro”, revela o investigador.

Há muitos lobos a morrer por laço, veneno e tiro (o atropelamento acidental é a principal causa de morte conhecida). Mas a grande maioria dos casos não resulta em processo-crime ou é arquivada pelo Ministério Público. “Em quase três décadas de lei (o lobo é protegido desde 1988), só houve dois casos de punição: um a sul do Douro, o outro numa montaria ao javali em zona de caça no interior do PN”. Neste caso, o culpado pagou uma coima de 300 euros, um “valor ridículo para dissuadir comportamentos destes e criar uma consciência responsável”, diz Francisco Álvares, para quem “o lobo é uma arma de arremesso e um bode expiatório para os produtores por a ruralidade estar a perder-se”.

A nível nacional, estima-se que existam trezentos lobos, distribuídos por sessenta alcateias. No Alto Minho, as alcateias de Soajo e do Vez, em zonas altaneiras, “têm mais tranquilidade e são as mais estáveis, muito à custa do alimento que há, sobretudo animais domésticos”, explica Francisco Álvares.

Com variações de região para região, cerca de 40% da população lupina, em Portugal, é morta anualmente por ação humana.

1083607.jpg

 

Predação do lobo

Arcos de Valdevez é um dos concelhos mais afetados pela ação predatória do lobo sobre animais de pastoreio. Só neste mês de março, pelo menos em Soajo, foram mortos mais dois bovinos por investidas do lobo. O casal de produtores, António e Teresa Cerqueira, com um histórico de prejuízos, já desencadeou o processo burocrático para efeitos de indemnização.

A equipa de averiguação do ICNF teve de analisar as carcaças para confirmar o ataque de lobo (e não de cães assilvestrados ou outra causa de mortalidade), requisito fundamental para validação da queixa dos proprietários.

Entretanto, de acordo com o ICNF, de janeiro de 2015 a janeiro de 2016, foram identificados 1272 ataques e confirmados 1831 animais (entre ovinos, bovinos, caprinos, equinos e caninos) abatidos por ataques do lobo. Mas, em certos anos, o número de ataques que é atribuído ao lobo anda por 2500, sendo que o Estado gasta uma média de 800 mil euros/ano em compensações.

11.jpg

 

Três perguntas a Francisco Álvares

IMG_0181.JPG

 

“Paisagem bem conservada é o símbolo que o lobo pode ter”

  1. O que é preciso fazer para reduzir a predação do lobo e esbater o conflito entre as atividades humanas e a presença do lobo?

A resposta não é simples… Desde logo, ações de sensibilização são importantes… Para atingir uma coexistência sustentável, tem de haver compromissos de toda a sociedade e um conjunto de medidas como o ordenamento do pastoreio, a criação de condições para o aumento das presas silvestres e a aposta efetiva na prevenção de incêndios e fomento florestal. Mas nunca é de mais insistir na responsabilização dos proprietários, a quem compete a proteção do gado (confinamento, uso de cão de gado eficiente como o sabujo…) e a implementação de boas práticas, nomeadamente a redução da distância das áreas de pastoreio aos locais de confinamento.

  1. O lobo é um indicador do que é uma paisagem bem ou mal preservada. No atual contexto, em que medida o lobo corre sério risco de extinção?

Se aquilo que as pessoas locais pretendem é uma paisagem cada vez mais queimada, onde a biodiversidade desaparece, o pastoreio de gado é dominante e o número de cabeças [de gado] contrasta com a reduzida área de pasto, então, neste quadro, o lobo não tem lugar.

Mas, numa paisagem bem gerida, em que o gado é bem guardado e os animais silvestres são em bom número, aí, o lobo tem todo o cabimento. O lobo só pode existir numa paisagem em que haja espaço para ele viver e alimento para ele subsistir.

  1. O que é que deveria simbolizar o lobo numa área de proteção, que está longe de o ser?

Todos nós gostamos de chegar a um sítio em que se veja uma paisagem bem conservada. Este é o símbolo que o lobo pode ter. Além disso, o lobo é uma espécie-chave na biodiversidade regional e na identidade da cultura popular.

IMG_0162.JPG

IMG_0157.JPG

IMG_0142.JPG

IMG_0174.JPG

IMG_0195.JPG

IMG_0171.JPG

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:34

Pág. 1/5



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031