Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.


Quinta-feira, 12.10.17

“Estamos num impasse para formar o próximo executivo da Junta”

imgpsh_fullsize.pngManuel Barreira da Costa, que venceu, pelo PSD, as eleições autárquicas de 1 de outubro, mas não conseguiu a maioria de mandatos na Assembleia de Freguesia de Soajo, já encetou contactos com vista a um acordo de aliança que assegure a governabilidade da autarquia. Só que as negociações, pelo menos até esta quarta-feira, 11 de outubro, não conheceram quaisquer avanços.

“[…] Estamos num impasse para formar o próximo executivo da Junta”, pois “o partido [por mim] convidado não está disposto a colaborar”, explica Manuel Barreira da Costa, que diz “não estar muito otimista para os próximos quatro anos”, muito embora não hajam terminado ainda as démarches.

Segundo apurou o blogue Soajo em Notícia, junto de António Cerqueira, número três da candidatura social-democrata, a CDU foi, no caso, a força política contactada pelo PSD.

Em tempo oportuno, leia-se, quando houver um desfecho, voltaremos ao assunto com mais detalhe, aclarando o conteúdo das propostas e contrapropostas apresentadas pelas duas forças políticas acima referidas, às quais, eventualmente, se pode juntar o MSI, a segunda lista mais votada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 17:58

Quarta-feira, 11.10.17

Experiências gratuitas na Porta do Mezio

Carne-de-Cachena-com-arroz-de-feijão-tarrestre-750x422-1436355734.jpg

Nos próximos dez fins de semana, de 14 e 15 outubro a 16 e 17 de dezembro, está programado um ciclo de experiências gratuitas no Centro de Promoção e Valorização dos Produtos Locais, sediado na Porta do Mezio.

Com esta iniciativa, o visitante pode experienciar saberes e sabores tradicionais, “num ambiente descontraído e informal”, segundo promete a organização.

Eis o programa completo: Slow food no Alto Minho com carne cachena, broa de milho, feijão e laranja (14 e 15 de outubro); Tertúlias gastronómicas (21 e 22 de outubro); Artes de cura e mezinhas (28 e 29 de outubro); Plantas silvestres comestíveis (4 e 5 de novembro); Tradição da castanha na alimentação (11 e 12 de novembro); Cogumelos do Parque – descobrir e degustar (18 e 19 de novembro); Segredos das plantas aromáticas, condimentares e medicinais (25 e 26 de novembro); O mel e a colmeia (de 1 a 3 de dezembro); Rituais do pão no Alto Minho (9 e 10 de dezembro); e Bolachas, biscoitos e licores macerados (16 e 17 de dezembro).

casa.jpg

c7ab1cc551f3db964b2932532aa51b03.jpg

8 (1).jpg

1 (1).jpg

castanhas.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:04

Terça-feira, 10.10.17

Banhos no outono

19387516_zfTbp.jpeg

O outono chegou há quase três semanas e o calor ainda não abrandou. Para melhor desfrutar deste prolongamento do verão, há quem continue a procurar as famosas lagoas de Soajo. A "piscina" do Poço Negro, autêntico recanto a cerca de 500 metros da vila de Soajo, guarda um entorno natural que mais parece concebido num programa de desenho digital, isto apesar dos reclamados melhoramentos de valorização do espaço continuarem adiados.

Seja como for, quer a nível das águas cristalinas como da flora envolvente, sem esquecer as quedas de água ou o imenso património histórico-cultural que se avista nas proximidades (pontes, moinhos, levadas…), deste conjunto o que resulta é um quadro pitoresco de rara beleza, onde a maioria dos “veraneantes” de ocasião aproveita a "piscina" natural do Poço Negro para um mergulho refrescante. E a cada banhista compete, nunca é excessivo lembrar, a obrigação de respeitar a natureza, deixando o espaço asseado para quem vier a seguir.

Por outro lado, o estio no outono beneficia, de igual modo, os setores do alojamento e da restauração de Soajo, dado o impulso de visitantes em relação a um passado recente.

Mas, pelo contrário, o tempo severo está a “castigar” a agricultura (mesmo a de subsistência) e afins. A seca compromete algumas culturas e reduz a produtividade agrícola em pastagens, hortas e pomares.

As previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera apontam para a continuação de tempo seco.

IMG_2622.JPG

hdnesd.jpg

corda.JPG

3094747003_42b5195e85_b.jpg

Fotos: Soajo em Notícia, The Guardian, Joaquim de Jesus Neto e Internet

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:25

Sexta-feira, 06.10.17

Escola Básica de Soajo adota “abordagens mais inovadoras”

19205711_jJn2Z.jpeg

Uma das grandes novidades no ano letivo 2017/2018 prende-se com a introdução de “abordagens mais inovadoras” na Escola Básica da Eira do Penedo (Soajo), em respeito pelo Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas de Valdevez (AEV).

Sem descurar outras abordagens, em questão está a adoção do método da Escola da Ponte (Vila das Aves), que se centra numa aprendizagem autónoma, democrática e segundo os ritmos de aprendizagem dos alunos. Esta metodologia privilegia uma complementaridade entre aprendizagens cognitivas e sociais a partir de situações formais e informais.

Não por acaso, no decorrer do II Encontro Ser EducAção, ocorrido em outubro de 2016 (em Soajo, justamente), o diretor do AEV, na intervenção menos politicamente correta de todas, criticou o sistema por dar prevalência a um ensino formal, normativo, quantitativo e concetual. “À escola cognitivista não interessa muito a parte informal dos valores e das atitudes”, salientou Carlos Costa, que, das várias unidades organizacionais, vê na “Escola Básica de Soajo a mascote do Agrupamento de Valdevez”, conforme disse na altura.

Para passar da escola que temos à escola que queremos, dentro da autonomia (possível) que é consagrada às escolas, a Direção do AEV e a professora titular que leciona em Soajo estão a trabalhar de modo articulado para o desenvolvimento do projeto que obedece às “orientações das restantes unidades organizacionais”, existindo recursos (humanos e técnicos) para dar corpo a uma abordagem reformadora com vista à promoção de um programa de melhoria do sucesso escolar.

Na escola de Soajo, está a funcionar uma turma mista do 1.º ciclo, com os quatro anos de escolaridade na mesma sala, um contexto desafiante para a docente que ingressou este ano na referida unidade organizacional. Com base na experiência desta professora do quadro, há a forte convicção de que a prática deste método de ensino é um importante estímulo para os alunos que estudam na escola de Soajo.

*** 

Quatro perguntas a Carlos Costa, diretor do AEV

CC.JPG

“As novidades têm sempre impacto em qualquer comunidade”

  1. Qual a possibilidade de o AEV vir a adotar na Escola Básica de Soajo o método da Escola da Ponte?

Relativamente a este assunto, a escola de Soajo, por quem tenho um carinho especial, pela sua especificidade e singularidade (única no agrupamento), rege-se pelo mesmo Projeto Educativo do AEV. A articulação é realizada entre todos os docentes do 1.º ciclo, em reuniões de ano e de coordenação deste ciclo de estudos. Nestas, são definidas as planificações anuais, mensais e semanais; são construídas as fichas de avaliação intermédia e trimestrais; são trocadas informações relevantes entre profissionais; e são construídos projetos comuns.

A docente da escola de Soajo é professora do quadro, titular de turma e apresenta vinte anos de experiência. Além disso, tem duas pós-graduações e inúmeras formações na área pedagógica que lhe dão suporte a abordagens mais inovadoras.

  1. Está a escola de Soajo apetrechada com os materiais pedagógicos imprescindíveis para a implementação do referido método?

A escola dispõe de uma panóplia de materiais pedagógicos, como computadores, quadros interativos, ligação à Internet, entre outros, que a colocam num patamar de equidade com as melhores.

  1. Em que medida a adoção deste método pressupõe que a professora vai continuar vários anos como titular de turma na escola de Soajo?

O método de ensino tem sempre caráter individualizado e diferenciado e, por isso, a docente não deve cingir-se a uma única abordagem. A professora também deu a conhecer ser sua intenção ‘permanecer vários anos na Escola Básica de Soajo’.

  1. E qual a reação da comunidade educativa a esta novidade?

Como todos sabemos, as novidades têm sempre impacto em qualquer comunidade. Neste caso, a colocação de uma nova professora na escola é a notícia. A reação dos pais e encarregados de educação é importante, porque é sinónimo de manifestação de vontades que atestam que a comunidade se mantém viva.

imgpsh_fullsize (2) (6).jpg

imgpsh_fullsize (1) (7).jpg

0 (1).jpg

imgpsh_fullsize (9) (4).jpg

imgpsh_fullsize (8) (3).jpg

imgpsh_fullsize (7) (4).jpg

imgpsh_fullsize (4) (5).jpg

19959469_wn8Dj.jpeg

19829412_cHTOk.jpeg

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:29

Quarta-feira, 04.10.17

Bacia do Lima com reserva hídrica abaixo da média

21751684_1529177550462327_2585325247584650173_n.jpg

O volume de água armazenado na bacia hidrográfica do Lima (conjunto das albufeiras de Lindoso/Soajo e de Touvedo/S. Jorge) tem vindo a descer gradualmente no ano em curso. No fim de setembro, esta bacia apresentava uma disponibilidade hídrica de 51,4% (no mês homólogo de 2016 foi de 56,5%), inferior à média de 53,9% para o referido mês desde que há registos, segundo os dados compilados pelo Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos (SNIRH).

A albufeira do Alto Lindoso/Soajo registava, no último dia do mês findo, 49,7% de armazenamento, nível muito inferior ao volume de 81% de finais de maio. Fruto de um verão extremamente seco (com continuação no outono), a reserva da principal hidroelétrica nacional tem vindo a baixar de modo acentuado nos últimos meses.

O secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, preocupado com a falta de água, referiu à comunicação social que a tutela está a seguir as “albufeiras em situação crítica” e a “aumentar o número das que estão sob vigilância”, alertando para o problema da “redução crescente das reservas subterrâneas”.

Também o presidente da associação ambientalista Quercus acompanha a situação com inquietação. “Quanto mais diminui a quantidade das reservas, pior fica a água em termos de qualidade. Isto é muito grave”, frisa João Branco.

Entretanto, com uma reserva hídrica tão baixa, há lugares cujas “memórias submersas” estão a descoberto (algo que, porém, não é inédito), consequência de uma das maiores secas em Portugal desde os anos noventa do século passado. É o caso da idílica Várzea, onde o património cada vez mais “destapado” – sobretudo socalcos, antigas veigas e pardieiros – encerra uma mistura de sentimentos entre os nativos residentes, que não escondem sensações contraditórias, de fascínio e de saudade ao mesmo tempo.

De referir que, das sessenta albufeiras monitorizadas pelo SNIRH, a do Alto Lindoso/Soajo é, apesar de tudo, uma das 34 que apresentam uma disponibilidade superior a 40% do volume total.

Sob bastante reserva, dado que são projeções a grande distância temporal (várias semanas), os dados científicos apontam para pouca chuva e temperaturas elevadas até dezembro de 2017, segundo foi salientado, recentemente, na comissão permanente de Prevenção, Monitorização e Acompanhamento dos Efeitos da Seca.

21752312_1529177367129012_9209162761458214552_n.jpg

21751989_1529177510462331_912398324029058292_n.jpg

21740102_1529177320462350_376284640794356895_n.jpg

21686948_1529844603728480_3497368798780575450_o.jpg

15107212_1219196638127088_2799529024715073226_n.jpg

15094948_1219196578127094_4132703808257042825_n.jpg

15056411_1314824981871063_6354285555070968085_n.jpg

14963297_1219196288127123_9102351357288230648_n.jpg

12273649_10207312797790913_8167557633987453123_o.jpg

IMG_6195.JPGFotos: Soajo em Notícia, Manuela Jorge, Vera Rodas, Jorge Couto e Fernando Cerqueira Barros.

Nota: algumas fotos são de arquivo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:19


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2017

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031