Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Teresa Araújo, Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.



Segunda-feira, 05.12.16

Conheça a “filha da Terra” que é autarca em França desde 2007

Rosa2.jpg

Nasceu, há 51 anos, em Soajo, onde deverá passar as próximas férias de verão. É, desde 2007, autarca  em Antony 92 (pequena cidade com cerca de 60 mil habitantes). Desempenha, neste departamento situado nos arredores de Paris, as funções de conselheira municipal para o público sénior e de delegada para os assuntos europeus. Tem-se empenhado fortemente para travar o avanço da extrema-direita em França. A “soajeira” de que se fala é Rosa Macieira Dumoulin.

Desde cedo, Rosa Macieira teve vontade de experimentar a “coisa pública” e a cocriação de uma associação local foi o primeiro passo para tentar mudar o destino das pessoas. Paralelamente, a experiência profissional que abraçou - adjunta de direção na Korian - foi um importante "trampolim" para, posteriormente, como conselheira do executivo, construir o futuro da comunidade local. Acredita que a política é a arte do “impossível”, porque permite “mover montanhas”, e exorta a comunidade portuguesa a participar mais no destino da nação de acolhimento.

Sempre que pode, Rosa volta a Soajo, a terra que “representa as raízes, o sorriso do pai, as férias da juventude, a bondade do povo” e muito mais.

10421166_10205378243562068_4510290747706133190_n.j

Quem é Rosa Macieira Dumoulin

. Idade: 51 anos.

. Naturalidade: Soajo

. Experiência profissional anterior: adjunta de direção na Korian (acompanhamento de grupos vulneráveis, nomeadamente terceira idade e doentes).

 

Sete perguntas a Rosa Macieira Dumoulin: “Soajo representa as minhas raízes”

  1. O que é que Soajo representa para si?

Soajo representa as minhas raízes, o sorriso do meu pai, um povo com um grande coração, as férias da minha juventude, o meu primeiro amor…

  1. De tempos a tempos, regressa a Soajo, onde, por vezes, passa férias. O que é que procura em Soajo?

Não vou todos os anos a Portugal, mas regresso, com grande prazer, a Soajo, sempre que posso. É em Soajo que encontro – nas pessoas sinceras e generosas – os meus verdadeiros valores. É a oportunidade de recordar os tempos bem passados com os meus pais (e restante família). É o reviver das festas com os meus amigos que estão no Canadá e nos Estados Unidos. E é um bom refúgio no meio da natureza. Estou a pensar em voltar a Soajo para junho próximo.

  1. Enuncie três razões para visitar Soajo.

A beleza da natureza e as paisagens à volta.

A beleza da vila e dos vários lugares.

O sorriso e a bondade do povo soajeiro.

  1. Como e quando é que ingressou na atividade política?

Comecei pelo meu bairro, onde, com outros habitantes, criei uma associação. Solicitei, à época, ao presidente da Câmara, Patrick Devedjian, que viesse visitar-nos regularmente. Quando ele, depois, me pediu para integrar a equipa dele, a minha resposta foi célere e afirmativa, porque entendo que devemos participar na vida política da nossa localidade: é a única maneira de mudar e melhorar a vida de todos, fazendo jus ao facto de vivermos sob um regime democrático, logo, com o poder de votar e de participar, no que for possível, na vida pública.

  1. A comunidade portuguesa, incluindo a soajeira, está, é público, bem adaptada a França. Que perceção é que os franceses têm dos portugueses?

Os franceses têm um grande respeito pela comunidade portuguesa que, na verdade, é corajosa e está bem adaptada. Mas, para mim, é demasiado discreta: a comunidade lusa deveria participar mais na vida política de França, o país onde ela vive, estuda, cresce e leva, muitas vezes, uma vida conjugal. Lembro que todos temos o direito de votar nas eleições municipais (autárquicas) para fazer ouvir a nossa voz e, por isso, não devemos desperdiçar o voto.

  1. Em 2017, disputam-se eleições Presidenciais em França e há cerca de um ano várias personalidades portuguesas ou de origem portuguesa subscreveram um manifesto contra a extrema-direita. Qual a sua posição?

A minha posição foi e é clara: não podemos deixar o partido de extrema-direita continuar a disseminar a sua política de mentiras, iludindo as pessoas com a ideia de que, com eles [extrema-direita], a vida será melhor. Não podemos aceitar que a França se feche à Europa. A extrema-direita é um perigo para a democracia, pelo que devemos combater as ideias racistas deste partido, explicando que a verdadeira face da extrema-direita reside no ódio entre humanos.

  1. Diz-se que “a política é a arte do impossível”. Quer comentar?

O antigo presidente do Brasil, Lula da Silva, afirmou, em tempos, que a política pode dar muito aos povos, neste sentido, a política pode mudar o rumo e o destino de uma nação. Ou seja, a política faz acreditar, sim, no impossível, desde que a comunidade se empenhe para atingir um objetivo coletivo. Em suma, a política permite realizar coisas impossíveis e “mover montanhas”. Não esqueçamos que o “impossível não é francês”.

13615320_10209907176542562_6027594810987945644_n.j

12507186_10207980292812589_4402666708957527615_n.j

10955683_1380562928920594_8779075707978369_n.jpg

206902_1465041432533_241306_n.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 17:21



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031