Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.



Domingo, 01.05.16

Eleições dos Baldios: inquérito aos cabeças de lista e os 48 compartes concorrentes

13115595_1180074085359416_479800110_n.jpg

Os compartes dos baldios de Soajo vão a votos no próximo sábado, 7 de maio. No presente, estão confirmadas três listas concorrentes às eleições, nas quais serão sufragados os novos órgão gerentes: Mesa da Assembleia, Conselho Diretivo e Comissão de Fiscalização.

Neste trabalho, é feito um inquérito aos candidatos que concorrem ao Conselho Diretivo dos Baldios pelas respetivas listas, nomeadamente Cristina Martinho, que encabeça a lista A, Manuel Barreira da Costa, que está à frente da lista B, e António Cerqueira, que encima a lista C.

No seguimento da resposta ao inquérito, são apresentados, para cada uma das listas, os nomes dos compartes que se candidatam.

Questionário

  1. Por que razão se (re)candidata aos Baldios?
  2. Em caso de vitória, quem vai assumir a gestão dos Baldios?
  3. Que candidaturas e projetos prioritários tem para apresentar aos compartes?
  4. Qual a sua posição em relação ao Hotel no Gião (Hotel do Mezio) no que diz respeito à renda, ao despejo de detritos e ao projeto de expansão?

……….

 

Cristina Martinho (Lista A): “Os baldios devem ser geridos pela administração dos Baldios”

Cristina Martinho eleita presidente do Conselho Di

  1. Recandidato-me porque as outras duas listas não fazem, porque nunca fizeram enquanto estiveram no Executivo e/ou nos Baldios, prova de competência. A lista B, encabeçada por Manuel Barreira da Costa, já mostrou o que tinha a mostrar no passado; e a lista C, com o atual presidente da Junta, já se sabe que não é capaz.
  2. Vamos continuar da mesma forma. Acho que os Baldios devem ser geridos pela administração dos Baldios, e não pela Junta de Freguesia, pois são duas entidades independentes e com contas diferentes. Por isso, a gestão não deve ser partilhada, até para evitar as confusões do passado.
  3. A nossa área está toda candidatada às ITI [Intervenções Territoriais Integradas], portanto, está fora de questão fazer candidaturas na área do baldio. Mas existem outros projetos em equação, como a criação de postos de trabalho ou a limpeza da floresta para reciclar a lenha miúda. A nível de florestação, não é fácil promover ações, a não ser que se cortem os pinheiros antigos, plantados pelo Parque Nacional, reflorestando essa área. Não há outra hipótese.
  4. Não estou contra o Hotel, friso bem, desde que respeitem o que já lá estava. Eles vieram para cá e há um património ambiental que é preciso respeitar e, sobretudo, há os contratos para cumprir. Continuamos à espera que nos contactem para pagamento das rendas em atraso, dando cumprimento ao que está no contrato, sendo certo que pretendemos renegociar a renda. Até ao presente, não recebemos 1 cêntimo de renda. O último contacto direto remonta a setembro de 2015, porém, esta semana, alguém me ligou a transmitir a intenção do gerente em conversar comigo, algo que ainda não sucedeu.

O projeto de expansão do Hotel, mesmo que o espaço seja afeto à área de baldio [prevista no contrato inicial], devia ter sido dado conhecimento aos compartes de Soajo: estes aprovaram o projeto original, pelo que não me parece que os compartes de Soajo aprovem estes 25 quartos adicionais.

 

Composição dos órgãos

. Conselho Diretivo: Cristina Martinho, Diamantino Pedro, António Amorim, Fernando Rodrigues Gomes, Edgar Belchior, Fernando do Canto Gomes, Félix Fernandes, Alexandre Fernandes Pereira, António Dias Gomes e Manuel Costa Silva.

. Mesa da Assembleia: António Esteves Brasileiro, Virgílio Esteves Barreira, Telma Martins e Maria Manuela Cortinheiro Jorge.

. Comissão de Fiscalização: Manuel Gonçalves Lage, Manuel Sousa Fernandes, Alexandre Gonçalves Preto, Alexandre Ferraz Lage e Vítor do Canto Covelo.

……….

 

Manuel Barreira da Costa (Lista B): “Candidatura visa continuar o trabalho que comecei”

IMG_2174.JPG

  1. Tenho uma candidatura sem pretensões, porque não tenho animais e, além disso, tenho uma grande experiência: estive 16 anos nos Baldios, conheço muito bem as pretensões dos agricultores e dos compartes. Lembro que os baldios não são só de quem tem gado, mas de todos os compartes, pelo que todos devem beneficiar com as verbas das ITI [Intervenções Territoriais Integradas]. Ou seja, se não beneficiam através de infraestruturas para gado, têm de beneficiar de outra maneira, com caminhos limpos para as propriedades, etc..

Portanto, conheço bem os dossiês dos baldios, quando comecei [a lidar com estas matérias] os baldios praticamente não existiam, fui eu que fiz a candidatura à primeira equipa de sapadores. E, no fim de 2013, quando saí, tínhamos nove pessoas a trabalhar (equipa de sapadores e uma equipa de limpeza). Deixámos cerca de 29 mil euros e fizemos obra. Recordo que, em maio de 2013, conforme está escrito em ata, houve um voto de louvor ao Conselho Diretivo dos Baldios, que veio da parte do agora candidato António Cerqueira, voto esse que foi aprovado por unanimidade, por todo o bom trabalho que estávamos a exercer. Daí a minha candidatura, que visa continuar o trabalho que comecei.

  1. [Somos] nós [que vamos assumir a gestão dos Baldios]. Quando anunciei a minha candidatura no Facebook, o senhor presidente da Junta, Manuel Capela, disse-me que, então, ‘tirava’ a dele. Respondi-lhe: ‘Não faças isso, porque vamos tentar fazer uma reunião com o objetivo de escolher elementos (metade/metade) de ambas as sensibilidades.’ A lista ficou acordada e até com maioria para eles. Propuseram-me como presidente do Conselho Diretivo dos Baldios e eles ficariam com secretário e tesoureiro; o Catito ficaria como vice-presidente… Demos um aperto de mão e ficou tudo acordado. Mas, passados quatro ou cinco dias, excluíram-nos da lista, para grande espanto meu. Eles “roeram a corda”… Disse logo que não estava de acordo, porque, se a Junta de Freguesia, neste momento, não tem capacidade para gerir a Junta, muito menos [terá para gerir] os Baldios…

A intenção era fazer um acordo com o presidente da Junta: uma equipa de trabalhadores, paga pelos Baldios, andaria a limpar os caminhos nas aldeias, porque é necessário. Ou seja, o propósito era trabalhar em colaboração com a Junta de Freguesia, mas não entregar… Porque no último ano em que estive, já com a Cristina em tribunal, fui chamado para renovar o contrato das ITI, que foi renovado em 2014 e vai até 2019. Todos esses contratos estão em nome dos Baldios. Fui informado por algumas pessoas de que, se os Baldios passarem para a gestão da Junta de Freguesia, estamos sujeitos a perder o dinheiro das ITI durante os próximos três anos. E eu não quero que isso aconteça.

Ora, se em maio de 2013, mereci um voto de louvor por parte da dona Cristina e do António Cerqueira, os outros candidatos, não sei porque é que agora eles dizem que eu não sirvo… Sou a mesma pessoa, conheço muito bem os problemas dos baldios e conheço muito bem os soajeiros. […] [Em tempos], nós éramos a freguesia mais empregadora do distrito de Viana do Castelo: tínhamos 13 pessoas a trabalhar na Junta e nos Baldios.

  1. Tenho muitos projetos… Não falo em florestação, porque já falámos com o Parque Nacional e todos sabemos que, se os agricultores não autorizarem as vedações, não vale a pena fazer uma florestação, porque os gados invadem a área e comem tudo. Se for de acordo com eles, vale sempre a pena… Mas a regeneração dos pinhais, devo dizer, está a ser muito boa.

É muito importante para os agricultores a recuperação dos caminhos para a montanha, sobretudo para os agricultores que vão pernoitar em Cova, Urzeira, Muranho…

[…] Temos de trabalhar com os Incentivos Não Produtivos (e que muita gente não sabe o que é), graças aos quais recuperámos a Casa de Cova, a Casa da Urzeira, o Fojo do Lobo, o Fojo da Cabrita, a infraestrutura (em Paradela) para proteger o mel… É preciso continuar com esses incentivos. […]

Devemos recuperar o património que está em degradação, como é o caso dos pontilhões… Há, por exemplo, duas pontes muito bonitas em Vilar de Suente que estão quase destruídas… E temos o problema das casas florestais: lembro que, há dez anos, impedi que as casas florestais fossem vendidas pela Direção Geral do Património e mais 2000 m2 à volta.

  1. Em relação à questão ambiental, é preciso ‘metê-los na linha’, porque não se admite que estejam a mandar detritos para os nossos montes… Eles arrendaram 8000 m2, não foi o resto do terreno, eles, se quiserem mais [área], têm de pagar mais. Já se sabe que a renda nos três primeiros anos é metade do valor a pagar depois… Já me disseram que há um projeto para aumentar [duplicar o alojamento], é porque corre bem…

A próxima Comissão de Baldios deve negociar bem com eles, sendo que a renda anual anda à volta de 1800 euros (por vinte anos), com contrato feito no notário a prever o pagamento de um certo montante para os Baldios tomarem conta da obra… Um Hotel, com um investimento de 1 milhão de euros, não faz as coisas de qualquer maneira.

Acho que devemos negociar com eles e interpor um processo em tribunal por causa destes detritos que estão a vir para o espaço público. É uma zona muito bonita e Vilar de Suente tem nascentes de água não muito longe… Se estivesse cá [na gestão dos Baldios], já tinha ido há muito tempo e já tinha trazido o Ministério do Ambiente.

 

Composição dos órgãos

. Conselho Diretivo: Manuel Barreira da Costa, Manuel Maceira Moreira, Luísa Neto, António Alves, Carlos Branco Amorim, Joaquim Afonso e Manuel Fernandes.

. Assembleia de Compartes: João Fernandes Morgado, Dominico Neto, José Brasileiro e António Sousa.

. Comissão de Fiscalização: António Barbosa, Mário Martins da Eira, Albino Moreira e Manuel Mourão.

……….

 

António Cerqueira (Lista C): “Baldios delegam poderes à Junta para trabalharmos juntos”

IMG_2179.JPG

  1. A nossa equipa candidata-se aos Baldios porque as nossas ideias vão satisfazer fortemente a Assembleia de Compartes. De resto, achamos que os baldios não devem ser geridos da maneira como estão ser geridos.
  2. Se ganharmos, a Comissão de Baldios vai delegar poderes à Junta para assim trabalharmos juntos. Ou seja, não vamos entregar diretamente os Baldios à Junta, delegaremos, sim, poderes à autarquia para que esta trabalhe em colaboração com os Baldios e vice-versa… Nunca faremos nada sem o aval da Assembleia de Compartes. E o papel de “ponte” estará nas minhas mãos e nas do senhor João [Pereira].
  3. Temos diversos projetos. Alguns, a serem concretizados, serão um grande orgulho para todos nós. Um dos mais importantes diz respeito à divisão territorial da freguesia… Depois, temos projetos relativos à recuperação do Poço do Bento e do Poço Negro, fazendo um passadiço de ligação aos dois; pretendemos alargar o Poço das Mantas, melhorando o espaço de lazer; queremos recuperar os viveiros antigos das casas florestais, fazendo novas plantações de árvores autóctones; temos em vista a recuperação dos estradões que dão acesso à serra para melhor servir o combate aos incêndios e as ações de limpeza, dando melhores condições a pastores e turistas; queremos recuperar as nascentes da serra; também é nosso objetivo controlar melhor as limpezas para facilitar o pastoreio e a florestação… Muito destes projetos serão candidatados ao ‘Programa Portugal 2020’…

Em relação à brigada de sapadores, pretendemos criar novos postos de trabalho, repondo as brigadas, porque as brigadas não estão completas agora, e também queremos estudar a melhor maneira para criar uma nova brigada, com a finalidade de sermos autónomos nas intervenções de limpeza, não atribuindo esta missão a empresas de fora. Com esse dinheiro, achamos que poderemos criar uma nova brigada, que trabalhará a tempo inteiro.

Em relação aos moinhos, tentaremos fazer um estudo para ver se as pessoas estão de acordo para fazer a sua recuperação.

De resto, pretendemos convergir com a Comissão de Regantes para benefício destes.

  1. Estou muito chateado com o que se está a passar no Hotel do Mezio, porque, no início, havia um acordo, mas depois este foi alterado, isto a nível de renda… Vamos ter de fazer uma revisão. Queremos renegociar com eles, indo buscar aquilo com que eles se comprometeram.

 

Composição dos órgãos

. Conselho Diretivo: António Cerqueira, Lourenço Couto, Manuel Capela, João Pereira e António Carvalho.

. Mesa da Assembleia: José Luís Maceira, Armando Morgado e Manuel Carvalho.

. Comissão de Fiscalização: Manuel Tibeiro Fernandes, Manuel Barros do Canto, Manuel Neto de Sousa, Alexandre Barreira Gomes, Joaquim Franqueira Gomes e Manuel António Fail.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 17:11


1 comentário

De Rui Araújo a 02.05.2016 às 18:31

"Temos de trabalhar com os Incentivos Não Produtivos (e que muita gente não sabe o que é), graças aos quais recuperámos a Casa de Cova..."

Sendo a única alma iluminada da freguesia, porque não nos explicou o candidato da lista B o que são, afinal, os "Incentivos Não Produtivos" ? Gostava tanto de aprender com ele

Comentar post



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2016

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031