Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.



Quinta-feira, 31.08.17

Eucaliptos que rebentam naturalmente nas áreas ardidas invadem floresta

IMG_2527.JPG

Os incêndios devastadores do verão de 2016 consumiram grandes povoamentos florestais em Soajo (e não só), mas nas zonas afetadas estão a nascer imensas manchas de eucaliptos, conforme se pode ver à beira das estradas, reduzindo muito os dez metros de segurança estipulados por lei. O corte dos eucaliptos no lugar de Paradela é positivo, mas não resolve o problema que abrange a freguesia - e, segundo fonte conhecedora do processo, mesmo neste lugar, não está a ser feita limpeza da respetiva área nem sequer estão previstas novas plantações.

Se não houver gestão dos espaços que arderam há um ano, áreas onde o eucalipto está a regenerar naturalmente e em força, boa parte do Parque Nacional pode transformar-se em autêntico “barril de pólvora” a curto prazo.

Nos eucaliptais que arderam há cerca de um ano, as cápsulas que estavam nas copas abriram-se poucos dias após a passagem das chamas e espalharam as sementes que germinaram logo com as primeiras chuvas. Além disso, como lembra o técnico Ernesto de Deus, a regeneração do eucalipto resulta da “evolução da espécie que está adaptada ao fogo”, pelo que a árvore rebenta “quer através da base do tronco, quer ao longo do tronco”.

Segundo o conhecido investigador, o eucalipto “reproduz-se com bastante facilidade” e, na maioria das vezes, é a primeira espécie a “colonizar” uma área ardida. E, de facto, pelas estradas nacionais ou municipais de Arcos de Valdevez, sobressai, nas respetivas orlas, o exponencial crescimento de eucaliptos perto de árvores queimadas e de árvores cortadas.

Se nada for feito nos próximos tempos, os eucaliptais vão ganhar uma maior densidade e, no dizer de Ernesto de Deus, o resultado será uma “autêntica selva” com “árvores de diferentes tamanhos” a invadirem povoamentos florestais, que, em pouco tempo, ficarão repletos de material combustível e com riscos agravados de incêndio.

A dificuldade em controlar os eucaliptos de nascimento espontâneo exige que, na falta de um ordenamento florestal, se faça, pelo menos, “o arranque das árvores junto à raiz”, e não apenas o corte na base do tronco, para impossibilitar novos rebentos e garantir uma maior proteção de pessoas e bens.

IMG_2532.JPG

IMG_2501.JPG

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:26


1 comentário

De joao pereira a 02.09.2017 às 01:26



Quando se diz:"o corte dos eucaliptos no lugar de paradela é positivo" ,esta-se a ser ou cómico ou ingeniu ,porque de positivo so se for para os proprietarios e negociantes de madeira.Nenhuma das propriedades foi limpa,onde existiam 50 eucaliptos aparecem 1000,Nenhum proprietario tapou devidamente as paredes nem tenciona plantar outras especies de arvores.As sementes espalham-se pelo baldio fora,criando um eucaliptal sem dono e ninguem o para.SENDO optimista dentro de 6 a 8 anos acontece outra desgraça como a que sucedeu a perto de 1 ano.


Comentar post



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Agosto 2017

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031