Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Teresa Araújo, Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.



Segunda-feira, 24.07.17

Expositores querem FAOT em agosto para emigrantes gerarem negócio (ver fotorreportagem)

IMG_6834.JPG

A Feira das Artes e Ofícios Tradicionais (FAOT) atingiu, este ano, a maioridade (18.ª edição), mas ainda não foi desta vez que a organização deu um “salto” qualitativo em termos de negócio e inovação, segundo confidenciaram a este blogue vários expositores. A maioria destes quer o evento em agosto para fazer o negócio que não se faz em julho sem os emigrantes, os quais bem gostariam de ter visto a exposição “Soajo, o Tempo e a História”, sem dúvida o melhor que o cartaz ofereceu de 21 a 23 de julho. 

Como noutras FAOT, o sentimento de pertença à Terra repercutiu-se na música de raiz popular, que atraiu muito público (essencialmente à noite), nos produtos de base local/regional e, acima de tudo, na magnífica exposição montada pelo Rancho Folclórico das Camponesas da Vila de Soajo. Mas o concorrido programa de animação noturna pouco rendeu ao negócio (não correu de feição à maioria dos expositores), frustrando a antevisão do presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP), que presidiu à cerimónia de abertura.

De resto, na ronda feita pelos cerca de trinta expositores instalados no recinto, Melchior Moreira vaticinou que os aderentes “não iriam ter mãos a medir” na feira, mas a mensagem de confiança contrastou com o balanço feito pela maioria dos aderentes no domingo à tarde, como a seguir se verá.

Aliás, provavelmente por influência da excessiva "onda" de otimismo, alguns dos números que o presidente do TPNP desfiou no salão de S. José, do Centro Social e Paroquial de Soajo, para certificar o impulso turístico ocorrido neste concelho desde 2012, não primaram, objetivamente, pelo rigor técnico, conforme cruzamento de dados fornecidos pelo INE, resultando, daí, uma visível sobreavaliação da taxa de crescimento (de dormidas, por exemplo).

“Tem-se assistido a um crescimento extraordinário no município de Arcos de Valdevez. […] Passámos de 20 mil dormidas em 2012 para 50 mil em finais de 2014, e tivemos um crescimento ainda mais redobrado, em cerca de 20 mil dormidas, de 2014 para 2015, o que quer dizer que fechámos o ano de 2015 com 67 mil dormidas, ou seja, de 2012 a 2015, crescemos 561% [com base nas referências do INE, o crescimento é, rigorosamente, de 335%, e não de 561%]”, sobrestimou Melchior Moreira, que devolveu o “convite amigável” feito pela edilidade arcuense com um discurso extremamente politizado (ou propagandístico?) para vangloriar a ação do Município arcuense na área do turismo, encerrando a sua intervenção com uma apressada alusão aos agentes do setor, na prática, estes sim, os grandes artífices do boom turístico.

Mas João Manuel Esteves já tinha dado o mote ao entrar numa deriva que não ajuda à credibilização da classe política, quando, conforme as suas conveniências, esticou ou minguou os registos relativos à visitação na Loja Interativa de Turismo (LIT) de Soajo. “De agosto a dezembro de 2016, entraram na LIT 2 mil e tal pessoas [na realidade, houve 2870 visitas], e, de janeiro a maio [deste ano], já tinham passado, lá, 3500 ou 3800 pessoas [rigorosamente, 3228 entradas], o que quer dizer que o turismo está a crescer [no caso, 12,7%]”.

Com tantos números “maquilhados”, até se podia esperar que, por contágio, a FAOT, viesse a ter este ano uma edição para recordar. Mas não foi nada disso que aconteceu. A mostra de ofícios e artesanato (os vários artesãos das famosas miniaturas de espigueiros, etc., deixaram de comparecer), que era a razão de ser do certame, teve este ano uma participação bem reduzida.

Também escassearam os produtores de vinho, mel, licores, compotas, queijos, ervas aromáticas e, até, as “barracas” de alimentação (no prato) e derivados se fizeram notar pela reduzida presença. “Vendi três vezes menos queijos do que nas edições de agosto”, desabafou um desolado expositor.

Os saberes e sabores gastronómicos resumiram-se, praticamente, a cinco ou seis “tasquinhas” instaladas no Eiró (cujo recinto decorado com carros de mato e de lenha lembrou aos presentes de onde vem o povo soajeiro). Foram degustados, aí, alguns dos típicos produtos da endogenia, casos do presunto, chouriço, pão-de-ló e doces, sem esquecer a gastronomia caseira (pataniscas, rissóis, bolinhos de bacalhau, bifanas, panados e caldo-verde). Este formato, que, segundo a organização, privilegiou o espaço de “tasquinha”, aliado à novidade do parque de recreio, a pensar no público infantil, apesar de bem-intencionado, não conseguiu gerar mais movimento nem “reter” as pessoas mais tempo no recinto.

Ao invés, ajudaram a criar um ambiente de festa os Minhotos Marotos, as rusgas (13 ao todo), o folclore (ranchos de Vilarinho das Quartas, S. Jorge e Santa Cristina de Longos (Guimarães)), os cantares ao desafio e a Bandinha da Alegria. No que respeita à programação cultural ainda, é justo destacar, também, a apresentação do livro Cartas de Amigo e Malviver (de Manuel Rodas), coletânea de 63 cartas, quase todas dominadas pelo sentimento de saudade.

Mas o “número” que mereceu mais elogios do público ficou a cargo do refundado Rancho Folclórico das Camponesas da Vila de Soajo, que organizou, no antigo edifício da Câmara, a exposição “Soajo, o Tempo e a História”. Pela riqueza de pormenores (apetrechos e usos ancestrais como o crucho, o fiar da lã, o louceiro, os enchidos fumados, o penico, os trajes, os tamancos, a cesta de merenda, com chouriço, bacalhau e broa…), pela descrição da típica casa de lavoura (cozinha, lareira, quarto…) e pela sugestiva galeria de fotos do famoso António Neto, o público que visitou esta exposição fez uma “viagem” pelo passado, engraçando com autênticos “tesouros” que marcam o espírito da Terra e fazem jus ao seu elevado valor sentimental.

A inauguração do espaço, cheio de “alma”, superou as melhores expetativas e reservou uma boa surpresa para todos. A exibição do Rancho, com várias gerações misturadas (incluindo crianças bem ensaiadas), permitiu recuperar memórias à volta de letras bonitas e cheias de tradição (paradoxalmente, no ano em que se voltou a introduzir algum cariz “tradicional” à feira, decidiu o Município remover o T, de “Tradicionais”, da marca FAOT…).

No balanço da 18.ª edição, sobra a certeza de que a mostra do “bom que Soajo faz e tem”, como a ela se referiu o presidente da Câmara, caiu, irreversivelmente, numa fase de estagnação sem reversão à vista. Para evitar futuros falhanços, a organização não faria mal em reunir os expositores, pois chegaria rapidamente a várias conclusões, tantas são as opções de discutível eficácia. Desde logo, a data de realização da FAOT. A grande vaga de emigrantes só começa a chegar no derradeiro fim de semana de julho e é o poder de compra deles que pode fazer a diferença no negócio. “Se a feira não voltar ao calendário antigo [agosto], não participo mais aqui”, sentenciou um artista arcuense que é presença habitual neste evento, opinião corroborada por muitos outros.

A falta de inovação (a animação feita por soajeiros já vinha de trás) e a reduzida diversificação dos motivos de interesse (nada de oficinas, demonstrações ao vivo, palestras ligadas ao mundo rural, provas de produtos, concursos…) comprometeram, de igual modo, o relançamento da feira, que também nada tem vindo a ganhar com a apresentação tardia do programa.

Por outro lado, os grupos de bombos, que outrora serviam (apenas) para anunciar a festa, têm agora a seu cargo o entretenimento em boa parte do tempo, transformando o Largo do Eiró numa caixa-de-ressonância com fartas manifestações de incomodidade, devido aos decibéis desproporcionados (quatro grupos de bombos no alinhamento é um exagero). Resultado: poluição sonora que o turista abomina e, claro, alguma dispersão de público. Pelo contrário, a Bandinha da Alegria (música popular) conseguiu “agarrar” o público e os calorosos aplausos são exemplificativos dos gostos da assistência, que quer mais música e menos estrépito.

Entretanto, o maior realce, pela positiva, é que a edição 18 lançou a "semente" para o futuro museu etnográfico de Soajo.

A organização da FAOT, que teve apoio do Município arcuense, emparceirou a ARDAL-Porta do Mezio, a Junta de Freguesia de Soajo, o Rancho Folclórico das Camponesas da Vila de Soajo, a Casa do Povo de Soajo, o Rancho Folclórico de Vilarinho das Quartas e o Centro Social e Paroquial de Soajo.

 

Citações

“Soajo, em termos de ícone de promoção turística, é, claramente, uma pérola dentro do Parque Nacional”. […] Temos necessidade de aumentar a estada média do turista na região, quem vem aos Arcos tem de permanecer mais do que um dia, as taxas médias de ocupação atingiram no ano precedente, pela primeira vez, uma taxa de 50%, que é uma taxa de equivalência em relação à taxa média na região do Porto e Norte de Portugal”.

Melchior Moreira, presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal)

 

“Estas mostras visam valorizar os produtos e os serviços que temos, assim como dinamizar e promover o que fazemos (gastronomia, alojamento e animação turística). Este é um espaço para estimular o aparecimento de novas ideias e novos negócios, estabelecer novas oportunidades para aproveitar os recursos que temos transformando-os em produtos [com valor acrescentado].”

(João Manuel Esteves, presidente da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez)

 

“A Junta de Freguesia inaugura hoje a 18.ª edição da FAOT. É uma iniciativa que muito tem contribuído para divulgar Soajo, os seus produtos, a gastronomia, as paisagens, o clima… Tem sido muito importante devido ao grande número de pessoas que comparece e valoriza muito a nossa terra”.

(Manuel Gomes Capela, presidente da Junta de Freguesia de Soajo)

 

 “A Feira tem novidades que são de registar, nomeadamente a animação feita por soajeiros e em respeito pela cultura local”.

(Pedro Teixeira, coordenador da ARDAL)

IMG_6684.JPG

IMG_6681.JPG

IMG_6678.JPG

IMG_6699.JPG

IMG_7233.JPG

IMG_7232.JPG

IMG_7296.JPG

IMG_7174.JPG

IMG_7157.JPG

IMG_7154.JPG

IMG_7150.JPG

IMG_7137.JPG

IMG_7136.JPG

IMG_7152.JPG

IMG_7011.JPG

IMG_7004.JPG

IMG_6941.JPG

IMG_6918.JPG

IMG_7035.JPG

IMG_6908.JPG

IMG_6766.JPG

IMG_6757.JPG

IMG_6755.JPG

IMG_6772.JPG

IMG_6725.JPG

IMG_6709.JPG

IMG_6784.JPG

IMG_6779.JPG

IMG_6775.JPG

 

IMG_6703.JPG

IMG_6702.JPG

IMG_6747.JPG

IMG_6831.JPG

IMG_6828.JPG

IMG_6825.JPG

IMG_6824.JPG

IMG_6820.JPG

IMG_6826.JPG

IMG_6813.JPG

 

IMG_6852.JPG

IMG_6889.JPG

P_20170722_192741.jpg

P_20170722_192722.jpg

P_20170722_192718.jpg

IMG_7371.JPG

IMG_7364.JPG

IMG_7362.JPG

IMG_7387.JPG

IMG_7346.JPG

IMG_7332.JPG

IMG_7361.JPG

IMG_7314.JPG

IMG_7311.JPG

IMG_7310.JPG

IMG_7325.JPG

IMG_7308.JPG

IMG_7122.JPG

IMG_7115.JPG

IMG_7111.JPG

IMG_7110.JPG

IMG_7096.JPG

IMG_7095.JPG

IMG_7093.JPG

IMG_7090.JPG

IMG_7103.JPG

IMG_6904.JPG

IMG_6903.JPG

IMG_6902.JPG

IMG_6898.JPG

IMG_7086.JPG

IMG_6894.JPG

IMG_6887.JPG

IMG_6880.JPG

IMG_6897.JPG

IMG_6865.JPG

IMG_6861.JPG

IMG_6856.JPG

IMG_6854.JPG

IMG_6878.JPG

IMG_7339.JPG

IMG_7082.JPG

IMG_7077.JPG

IMG_7075.JPG

IMG_7053.JPG

IMG_7085.JPG

IMG_6892.JPG

DSCN1328.JPG

DSCN1315.JPG

DSCN1304.JPG

DSCN1300.JPG

DSCN1334.JPG

IMG_7261.JPG

IMG_7248.JPG

IMG_7265.JPG

IMG_7241.JPG

IMG_7239.JPG

IMG_7246.JPG

IMG_7013.JPG

IMG_6999.JPG

IMG_6995.JPG

IMG_7024.JPG

IMG_6978.JPG

IMG_6970.JPG

IMG_6967.JPG

IMG_6983.JPG

IMG_6958.JPG

IMG_6926.JPG

IMG_6919.JPG

IMG_6959.JPG

IMG_9040 (2).JPG

IMG_9038 (2).JPG

IMG_9037 (2).JPG

P_20170723_180434.jpg

P_20170723_180422.jpg

P_20170723_180409.jpg

P_20170723_180405.jpg

P_20170723_180357.jpg

 

IMG_9024 (2).JPG

IMG_7261.JPG

IMG_7255.JPG

IMG_7265.JPG

IMG_7237.JPG

IMG_7207.JPG

IMG_7181.JPG

IMG_7179.JPG

IMG_7211.JPG

IMG_8912 (2).JPG

IMG_8891 (2).JPG

IMG_8866 (2).JPG

P_20170722_042304.jpg

imgpsh_fullsize (4) (1).jpg

imgpsh_fullsize (3) (2).jpg

imgpsh_fullsize (2) (2).jpg

imgpsh_fullsize (1) (3).jpg

imgpsh_fullsize (6).jpg

imgpsh_fullsize (5) (1).jpg

P_20170723_190101.jpg

P_20170723_181147.jpg

P_20170723_180553.jpg

P_20170723_180525.jpg

P_20170723_180458.jpg

P_20170723_180454.jpg

P_20170722_192905.jpg

IMG_7007.JPG

IMG_7010.JPG

Fotos: Soajo em Notícia e Joaquim de Jesus Neto

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:13


1 comentário

De Soajo em Noticiário a 29.07.2017 às 18:32


Concordo com a generalidade do que foi escrito pelo distinto jornalista ao serviço do «Notícias dos Arcos», Dr. Armando F. de Brito, redactor de muitos e bem-feitos artigos, subscritos com a sigla A.F.B., e também precioso colaborador do blogue, soajoemnoticia.blogs.sapo.pt .
Comentando o que foi publicado neste blogue, quero aproveitar para dar os parabéns a todos os que participaram na FAOT, e aos que contribuíram com bens materiais e trabalho para tornar realidade este evento. Todos merecem a nossa gratidão ao concorrerem para ajudar a enaltecer a que foi desde os tempos medievais tida como sede da «TERRA E CONCELHO DE SOAJO», conforme depois também nos narra a sua Carta de Foral de 1514, pese embora haver quem, nas últimas décadas, a queira rebaixar e enterrar por debaixo das suas notáveis e coloridas alfombras!
Sem dúvida que a explanação de bens e utensílios nos antigos «Paços do Concelho», ainda usados na segunda metade do século XX, enriqueceu o evento, embora a grande maioria deles não fossem exclusividades de Soajo. No entanto as novas gerações não conhecedoras destas vivências, se mais estivessem presentes, sempre admirariam o modus vivendi dos seus pais e avós.
A antecipação da FAOT não permitiu que muitos dos filhos dos ausentes no país e no estrangeiro e, talvez mais turistas, contactassem com os usos e costumes não muito distantes no tempo.
A reportagem fotográfica também muito enriqueceu a exposição ao permitir que se visualizassem paisagens naturais e actividades agrícolas bastante penosas.
A falta de legendas impediu a maximização da excelência da exposição, talvez pela sobrecarga de trabalho e falta de tempo dos promotores.
Permitir-me-ei sugerir que seria mais rigoroso intitular a exposição “SOAJO, O TEMPO E MEMÓRIA”, dado que de história apenas se exibiram dois livros, infelizmente, em vários aspectos pouco consonantes com a autêntica e real história e geografia da «TERRA E CONCELHO DE SOAJO», esta observada nas suas, várias e verdadeiras dimensões da realidade nacional!
Na verdade no livro sobre o «Soajo», com o subtítulo «500 anos do foral manuelino», além de muitas asneiras históricas e geográficas, algumas mal disfarçadas, e outras mais visíveis, pretendeu-se, disparatada e maldosamente, rebaixar e humilhar vários aspectos da «TERRA E CONCELHO DE SOAJO»!
Mas a mesma autora Paula Pinto Costa observou a «TERRA E CONCELHO DE VALDEVEZ» em outro livro sobre o foral dado em 1515, de uma forma não desrespeitosa e depreciativa!
Sucede que, até à década de 1880, Arcos de Valdevez, dispunha também de um modesto edifício dos «Paços do Concelho» numa pequena vila com características rurais por onde carros de bois e cavalos também vagueavam, sendo também terra de rústicos.
Na altura da emissão do foral de 1515 o concelho de Valdevez nem sequer tinha uma vila!
No entanto, nos tempos presentes, com muita bazófia inventaram a ficção de que em “Arcos de Valdevez, foi onde Portugal se fez”! E isto sem que tenham um único documento a provar que no «vale do rio vez» houve uma simples batalha!
Em Soajo, existindo também um modestíssimo edifício dos «Paços do Concelho», não logrou a sua substituição por outro com mais dignidade, pela queda abrupta do concelho em 1852! De facto, através de documento oficial, existente no Arquivo do extinto Governo Civil de Viana do Castelo, por volta de 1846, ordenou a rainha D. Maria II, que em Castro Laboreiro, Arcos de Valdevez, Melgaço, Coura e o Soajo e Valadares, procedessem à construção de novos Paços do Concelho, por os antigos não se ajustarem aos requisitos necessários! Deviam ser feitos para albergarem também a Administração dos respectivos concelhos pois funcionavam em instalações privadas dos administradores, pelo facto de os «Paços do Concelho» serem modestos em termos de espaço!


No meu blogue - soajoemnoticiario.blogs.sapo.pt - estão as minhas apreciações sobre outros aspectos da FAOT e, ainda, especificamente, outros assuntos contidos no desdobrável vindo a público na FAOT.
Jorge Lage

Comentar post



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Julho 2017

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031