Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.



Segunda-feira, 16.10.17

Incêndio no outono “infernizou” Soajo (ver fotorreportagem)

IMG_3424.JPGNo pior dia do ano em matéria de incêndios (a nível nacional e local), Soajo viveu um domingo infernal. As chamas que, segundo a página oficial da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), eclodiram, pelas 15.18, do dia 15 de outubro, nas imediações do Porto do Prado (próximo da Ponte da Ladeira), estiveram às portas da vila de Soajo e “semearam” o pânico, principalmente no lugar de Cunhas, que, no entanto, não chegou a ser evacuado (as populações desta povoação e dos lugares vizinhos estiveram rodeadas de nuvens de fumo muito densas).

Segundo relatos, há animais desaparecidos, mas é especulativo dizer-se que estão carbonizados, como alguma comunicação social disse e escreveu. “Estou à procura de oito touras, mas quatro delas já foram vistas”, diz João Pereira, que adianta “estarem em falta algumas éguas” pertencentes a outro(s) criador(es). O mesmo interlocutor desmente a existência de estábulos destruídos. “No meu caso, o fogo chegou ao limite do estábulo, que está intacto. Mas a propriedade [terreno] ardeu toda”, lamenta este produtor de gado, esperançado em ver os animais "perdidos" com a dissipação do fumo e da neblina.

Certo é que, conforme as fotos bem documentam, foram apanhados pelo lume em fúria barracões, povoamentos florestais, bouças, pastagens e mato. Salvaram-se, pelo menos, as casas, os moradores e os voluntários que defenderam os bens de vizinhos, amigos e conhecidos.

Voltemos ao início. O fogo, que terá sido originado por uma projeção proveniente de um incêndio ativo em Cidadelhe, consumiu parte da encosta contígua às lagoas a jusante do famoso Poço Negro, e progrediu rapidamente de baixo para cima, causando grande alarme em Cunhas, onde algumas casas estiveram em risco.

Aliás, as elevadas temperaturas que se fizeram sentir no domingo de tarde (ontem) e a escassez de meios no terreno fizeram logo supor o pior. Além das pessoas e dos bens (casas e gado), a mata da Cascalheira, depois dos terríveis incêndios do verão de 2016, passou a ser uma das principais preocupações de todos. É aí que residem importantes habitats e também abrigos de animais selvagens. Felizmente, este “santuário” não foi atingido por este fogo de outono.

Mas quem fitasse, esta manhã, a encosta do lado de Ramil via fumarolas e, apesar da descida das temperaturas e dos chuviscos que foram caindo, ainda eram visíveis vários focos pela serra de Soajo. Entretanto, quase no sopé da encosta, justamente no Côto do Ribeiro, um extenso anel de fogo varria um povoamento florestal nas imediações do Poço Negro.

Numa ronda feita ao “inferno” pela alvorada, há, ainda assim, notícias consoladoras. “A zona de Gandarela [e Agrelos] não ardeu. Os homens [sapadores dos Baldios de Soajo] foram impecáveis”, desabafa uma soajeira, aliviada. Noutros locais, foram os voluntários que, pela noite fora, evitaram males maiores. Com tamanha seca, tudo era rastilho para o avanço do incêndio, a começar pelos montes cheios de carga combustível.

Apesar do risco que representou para pessoas, gado e floresta, o fogo mobilizou poucos meios (estes estavam quase todos concentrados noutras ocorrências) e, por isso, os populares não tiveram outro remédio que não sair em socorro de familiares, amigos, vizinhos e conhecidos, levando com eles o que tinham mais à mão para combater as chamas.

No fim, sobram lamentos e queixas, principalmente quando, depois de um verão em que Soajo passou incólume, afinal, avulta um incêndio que evoluiu com uma severidade tal que, caso as condições climatéricas continuassem agrestes, ninguém sabe como poderia acabar…

À hora de publicação desta reportagem (cerca das 17.00), o incêndio encontrava-se ativo, mas em fase de resolução, mobilizando 11 operacionais, apoiados por três meios terrestres (um incêndio "em resolução" significa, de acordo com a ANPC, que não há perigo de propagação além do perímetro já atingido).

*** 

Reações

. “O fogo, que se saiba, não causou mortes em animais nem destruiu estábulos. A situação agora (10.40) está calma e controlada, há apenas uns fogachos por cima do Poço Negro".

(Manuel Gomes Capela, presidente da Junta de Freguesia de Soajo)

 

. “A informação que tenho é que, em Soajo, não há gado carbonizado. E também não há estábulos queimados”.

(Olegário Gonçalves, vereador da Proteção Civil do Município de Arcos de Valdevez)

 

Comunicações

Os fogos que ontem lavraram no Alto Minho afetaram as comunicações em várias localidades do único Parque Nacional, com repercussão nos telefones e Internet.

22491652_948592018630837_2550556880272734552_n.jpg

22449821_948592971964075_8172198500725533945_n.jpg

22406412_948593678630671_4019795451325456151_n.jpg

imgpsh_fullsize (8) (4).jpg

imgpsh_fullsize (7) (5).jpg

imgpsh_fullsize (6) (4).jpg

imgpsh_fullsize (5) (4).jpg

imgpsh_fullsize (3) (6).jpg

imgpsh_fullsize (2) (7).jpg

imgpsh_fullsize (9) (5).jpg

IMG_3397.JPG

IMG_3402.JPG

IMG_3391.JPG

IMG_3394.JPG

IMG_3385.JPG

IMG_3383.JPG

IMG_3382.JPG

IMG_3386.JPG

IMG_3374.JPG

IMG_3381.JPG

IMG_3375.JPG

IMG_3420.JPG

IMG_3418.JPG

IMG_3414.JPG

IMG_3415.JPG

IMG_3412.JPG

IMG_3411.JPG

IMG_3406.JPG

IMG_3404.JPG

IMG_3408.JPG

IMG_3400.JPG

IMG_3421.JPG

IMG_3422.JPG

Fotos: Sandra Enes e Soajo em Notícia

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 17:01


1 comentário

De pvnam a 18.10.2017 às 20:24

Já chega!
ZONAS DE SEGURANÇA:
-» dinheiro mal gasto... podia ter sido utilizado na compra de maquinaria florestal... no sentido de serem criadas zonas de segurança para que a população possa ficar em segurança face à eventualidade de ficar cercada por um incêndio.
.
.
Foram mestres/elite em economia que enfiaram ao contribuinte autoestradas 'olha lá vem um', estádios de futebol vazios, buracos da máfia dos calotes para tapar (ex: BPN, etc), etc...
Ora, quem paga - vulgo contribuinte - não pode deixar de ter uma palavra a dizer!
---»»» Leia-se: O CONTRIBUINTE NÃO PODE PASSAR UM CHEQUE EM BRANCO A NENHUM POLÍTICO!!!
.
.
Democracia Semi-Directa!
-» Explicando melhor, em vez de ficar à espera que apareça um político/governo 'resolve tudo e mais alguma coisa'... o contribuinte deve, isso sim, é reivindicar que os políticos apresentem as suas mais variadas ideias de governação caso a caso, situação a situação, (e respectivas consequências)... de forma a que... o contribuinte/consumidor esteja dotado de um elevado poder negocial!!!
-» Dito de outra maneira: são necessários mais e melhores canais de transparência!
.
Exemplo:
Todos os gastos do Estado [despesas públicas superiores, por exemplo a 1 milhão (nota: para que o contribuinte não seja atafulhado com casos-bagatela -» a Democracia Directa tem precisamente este inconveniente!!!)], e que não sejam considerados de «Prioridade Absoluta» [nota: a definir...], devem estar disponíveis para ser vetados durante 96 horas pelos contribuintes na internet num "Portal dos Referendos"... aonde qualquer cidadão maior de idade poderá entrar e participar.
-» Para vetar [ou reactivar] um gasto do Estado deverão ser necessários 100 mil votos [ou múltiplos: 200 mil, 300 mil, etc] de contribuintes.
{ver blog « http://fimcidadaniainfantil.blogspot.pt/ »}


Comentar post



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2017

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031