Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.


Segunda-feira, 25.03.19

Concurso para guardas-florestais da GNR sem vagas para o Alto Minho

O concurso para o ingresso na carreira de categoria de guarda-florestal da GNR teve 2591 candidaturas para as duzentas vagas abertas, ou seja, quase 13 vezes mais do que os lugares disponíveis. Os concorrentes que vierem a reforçar as equipas florestais integrarão a missão da GNR, através do Serviço de Proteção da Natureza e Ambiente (SEPNA), enquanto polícia ambiental, exercendo funções em áreas de floresta, de caça e de pesca.

Uma das tarefas destes profissionais consistirá na realização de ações na defesa da floresta contra fogos, em especial na investigação das causas de incêndios florestais.

Como se faz o ingresso?

O ingresso na carreira de guarda-florestal da GNR (desde 2006 que não era aberto qualquer concurso de admissão à carreira) é feito na categoria de guarda-florestal e determina a frequência, “com aproveitamento, de um curso de formação específico, a realizar durante o período experimental”, com “duração de 180 dias”, lê-se no Aviso n.º 3055/2019.

De acordo com o despacho publicado em Diário da República, o distrito de Viana do Castelo, através do Comando Distrital (CD), não será dotado de nenhum posto de trabalho, apesar de o único Parque Nacional cobrir três concelhos no Alto Minho (Arcos de Valdevez, Ponte da Barca e Melgaço).

Enquanto isso, o CD de Braga será apetrechado com cinco profissionais, distribuídos pelos destacamentos territoriais de Barcelos (três), Braga (um) e Póvoa de Lanhoso (um). Os distritos que vão acolher mais novos guardas-florestais são os de Santarém (com 27), Beja (23) e Bragança (23).

No presente, existem 307 guardas-florestais em Portugal. O Norte, com 130 profissionais, é a região com mais efetivos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 17:35

Quinta-feira, 21.03.19

Pão-de-ló de Soajo concorre às “7 Maravilhas Doces de Portugal”

O pão-de-ló de Soajo é candidato às “7 Maravilhas Doces de Portugal”, concurso que será dedicado, este ano, à doçaria tradicional portuguesa.

Para além da iguaria soajeira, o Município leva a concurso também o bolo de discos, os charutos de ovos e os rebuçados dos Arcos. A este respeito, a edilidade arcuense em comunicado anuncia a candidatura das quatro iguarias, mas a nota de imprensa original não estava ilustrada com o famoso doce de Soajo, ao contrário do que sucedia com os restantes sabores, lapso, entretanto, emendado.

O processo de eleição segue o modelo de anos anteriores, de onde sairá uma lista de 49 pré-finalistas, sete por cada região do país. Os 49 doces pré-finalistas serão votados pelo público, para eleger as “7 Maravilhas Doces de Portugal”, um doce por cada uma das sete regiões de Portugal.

Nas votações decisivas de edições anteriores, sabe-se que tem havido municípios a investir avultadas somas para a almejada coroação, desvirtuando um pouco o espírito do concurso. A propósito deste assunto, no ano findo, o deputado Jorge Lage denunciou a situação em sede de Assembleia Municipal.

“A Câmara de Arcos de Valdevez investiu [na compra de votos] para que Sistelo fosse uma Maravilha”, acusou o tribuno do PS, difundindo uma ideia que já circulava, há muito tempo, na praça pública. Na resposta, o presidente da Junta de Sistelo não desmentiu a imputação.

A organização das “7 Maravilhas” emparceira uma Comissão, que é liderada por Luís Segadães, e a RTP.

Fotos: O+económico, Câmara Municipal e Soajo em Notícia

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 17:38

Quarta-feira, 20.03.19

Comunidade escolar dá as boas-vindas à primavera com “abraço” simbólico à floresta

No dia em que começou a primavera, os alunos do pré-escolar e da Escola Básica de Eira do Penedo de Soajo, assim como a comunidade das restantes unidades do Agrupamento de Escolas de Valdevez (AEV), foram ao encontro da natureza e da vida em estado puro, numa saudável combinação de ambas na Porta do Mezio, "pulmão" do Parque Nacional (PN).

Com ou sem "empurrões" do calendário e do Plano de Atividades, sem dúvida que a iniciativa do “Abraço à floresta”, no início da estação luminosa, justifica, na planificação do ano letivo, um dia diferente para a população escolar nos ciclos inferiores ao secundário, muito embora seja importante sublinhar que se está a correr o risco de sacrificar muitos tempos letivos ao programar demasiadas atividades fora do contexto de sala de aula.

A comitiva vinda da sede do concelho ainda não tinha chegado à Porta do Mezio e, pelo caminho, o telemóvel já anunciava que, em determinadas áreas de pré-Parque Nacional, não há rede móvel, apesar dos investimentos infraestruturais executados com vista ao reforço da cobertura.

Ao entrar na porta de entrada do PN, que é Reserva Mundial da Biosfera, logo se percebe que tudo ali é sossego e natureza. Mas as marcas dos incêndios de 2016 estão ainda bem visíveis nas encostas despidas de árvores, aspeto um pouco atenuado pelo trabalho de reflorestação e de conservação que as brigadas CNAF e os sapadores florestais têm desenvolvido desde 2017.

Independentemente dos “castigos” infligidos à mãe natureza, são diversas as atrações existentes neste autêntico “santuário” natural, como os alunos, divididos em grupos (ciclos escolares), tiveram oportunidade de vivenciar na primeira pessoa, durante esta manhã de sol resplandecente. Os do pré-escolar e 1.º ciclo encontram-se espraiados nas instalações da Porta do Mezio, onde desfrutam de várias atividades lúdico-didáticas, entre oficina de árvores autóctones, ateliê de educação ambiental, parque infantil e “Aldeia dos pequeninos”. E muitos petizes, de enxada na mão, ajudam à plantação de árvores para fecundar o “coração” do PN, gesto singelo, é certo, mas um passo de vincada importância para tornar esta nova geração mais ativa na proteção dos valores naturais.

Por seu lado, os meninos do 2.º ciclo encaminham-se para o Núcleo Megalítico do Mezio, onde as mamoas, construções milenares, subiram a primeiro plano através das explanações do arqueólogo Nuno Soares, enquanto os colegas do 7.º e 8.º anos realizavam um passeio revigorante pelo trilho do Mezio, numa ação que serviu também para recolha de lixo. Enquanto isso, os alunos do 9.º ano, devidamente acompanhados, estiveram de visita ao Gião.

À hora marcada, por volta do meio-dia, os cerca de 1700 alunos estão todos concentrados na Porta do Mezio e, depois do apelo à educação ambiental, que tanto o diretor do AEV, Carlos Costa, como o presidente da Câmara, João Manuel Esteves, difundiram em nome da sustentabilidade, deu-se o “abraço” simbólico à floresta.

Mas o desafio maior é fazer com que a mudança de atitudes e de comportamentos face ao ambiente se cumpra plenamente todos os dias e em todos os lugares fora da fotogenia e longe das câmaras…

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:40

Terça-feira, 19.03.19

Soajo acolhe sessão informal sobre “(de)igualdade”

A vila de Soajo recebe, no próximo dia 30 de março (um sábado), a iniciativa “Arcos Convers@: (de)igualdades em foco”, no contexto do programa “Vez de Igualdade”. A sessão, sob o mote “o que pensa sobre os avanços, desafios e estratégias para a igualdade no concelho?”, foi anunciada pela vereadora Emília Cerdeira em reunião de Câmara, no passado dia 15 de março.

Trata-se de um encontro de “discussão comunitária, […] em espaço preparado para o efeito [espécie de conversa de café], no âmbito das atividades de recolha de dados para a igualdade e não discriminação”, acrescenta a edilidade em comunicado.

Esta ação de descentralização decorrerá na Casa Povo, estando o seu início marcado para as 21.00.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:01

Segunda-feira, 18.03.19

Tomada de posse dos órgãos sociais da Casa do Povo. Café concessionado a jovem de Vilarinho

Foram empossados, este domingo, 17 de março, os corpos sociais da Casa do Povo de Soajo sufragados no passado dia 10 de março.

A “equipa” de continuidade (apenas quatro caras novas, destacadas a negrito), que fica mandatada para o próximo triénio, é constituída pelos seguintes elementos:

. Direção: Manuel Carvalho (presidente), Lourenço Morgado Couto (vice-presidente), Manuel Gomes Capela (secretário), Miguel Soares Rodas (tesoureiro), António Esteves Brasileiro (vogal), Armando Martins Morgado (vogal) e Alexandre Cunha Rodas (vogal).

. Mesa da Assembleia: António Fernandes Barbosa (presidente), Jaqueline Gomes Fidalgo (1.º secretário) e Albino Moreira de Brito (2.º secretário).

. Conselho Fiscal: António Pereira Alves (presidente), Alexandre Preto Gonçalves (1.º secretário) e Manuel Morgado Couto (2.º secretário).

No tradicional discurso da praxe, o presidente da coletividade soajeira congratulou os que, nesta caminhada de 12 anos, colaboraram para o sucesso das iniciativas da Casa do Povo e renovou censura a “meia dúzia [de soajeiros] que só sabe criticar”, lamentando que os mesmos não se tenham apresentado a votos, pois, caso o tivessem feito, segundo garante Manuel Carvalho, o próprio teria renunciado à recandidatura.

Entretanto, o Café da Casa do Povo foi concessionado a Sara Pedro, que apresentou à mesa uma proposta de 620 euros de renda mensal, valor igualado por Joaquim Ribeiro (de Adrão), que renunciou a favor da jovem de Vilarinho das Quartas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 19:19


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2019

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31