Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.



Quarta-feira, 30.05.18

Aprovado licenciamento do Parque Biológico do Mezio

9147674494_b03d39f011_b

Foi aprovado o pedido de licenciamento do Parque Biológico do Mezio apresentado pela ARDAL, mediante o parecer favorável condicionado emitido pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF). A infraestrutura a implantar na continuação da Porta do Mezio, no âmbito do Plano Operacional de Gestão da Área de Intervenção Específica da Porta do Mezio (daqui para a frente simplesmente designado por POG), engloba quintas interpretativas (fauna e flora), devendo albergar mais de vinte espécies de animais autóctones.

O projeto, que foi apresentado em 2016, tem conhecido vicissitudes várias. A fase de execução da vedação (começou com cerca de 12 meses de atraso) foi logo ensombrada com problemas devido ao abate de árvores protegidas e à necessidade de atender a especificações em relação à ocupação e organização do espaço. Em função disso, os reservatórios de água, as fossas e o edificado são alguns dos elementos a ter em conta e qualquer alteração que houver na fase materialização do projeto deverá ser comunicada às entidades superintendentes.

Como o blogue Soajo em Notícia divulgou há cerca de dois anos, a construção do Parque Biológico do Mezio, cobrindo uma área de, aproximadamente, 10 hectares, tem em vista “a promoção da educação ambiental e o contacto direto com a natureza”, ao mesmo tempo que convoca “a exploração e o desenvolvimento de mecanismos de aproveitamento da fauna e da flora locais”, lê-se no POG.

Apesar das restrições existentes (o lobo-ibérico, por exemplo, não pode ficar em cativeiro), o Parque Biológico constituirá, na medida do possível, uma recriação do habitat natural das espécies a introduzir e, dependendo do sucesso da iniciativa, poderão ser admitidos, gradualmente, outros animais.

As principais espécies a considerar, com o devido apoio técnico, são os animais selvagens (javali, raposa, cabra-montês, veado…); os animais de quinta (vacas de raças cachena, barrosã e minhota, cavalo garrano, burro mirandês, ovelha bordaleira, ovelha churra, cabra bravia e coelho); os mamíferos de pequeno porte (gineta, fuinha e doninha); algumas aves de rapina (em gaiolões); as aves aquáticas (pato-real); os galináceos (galinha preta, galinha amarela e pedrês); e os suínos (porco bísaro).

Os espaços destinados aos animais ficarão dotados de um observatório em ponto estratégico (junto aos percursos) e cada visitante terá a possibilidade de visualizar e admirar as várias espécies animais sem ter necessidade de fazer grandes deslocações. O trajeto de observação realizar-se-á em três fases e em “traçado solto” para permitir apreciar a envolvente dos cercados e os gaiolões dos animais.

Complementarmente, a infraestrutura abarcará posto veterinário, bloco de apoio e um espaço isolado (quarentena), de acesso restrito, onde os animais oriundos de outros locais serão acolhidos para facilitar a sua adaptação. Para além disso, o equipamento obedecerá às regras de bem-estar animal, como preceitua a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária.

Do ponto de vista socioeconómico, o Parque Biológico – cofinanciado ao abrigo de duas candidaturas, nomeadamente uma que foi feita ao programa “Património Natural” – está orçado em cerca de 480 mil euros e é visto como um fator de desenvolvimento da faixa este do concelho.

“Este é um projeto muito importante para a dinamização da zona e há financiamento para ele, pelo que temos de dar execução a uma iniciativa que vai dar a conhecer a fauna e a flora da região”, sublinha o edil João Manuel Esteves.

 

Cercas e quintas pedagógicas

No seguimento dos pareceres obtidos (incluindo o da Direção-Geral do Património Cultural, em virtude das mamoas), a infraestrutura a erguer, numa lógica de circuito, engloba uma área considerável para javalis (cerca de 3000 m2), para além de zonas específicas para veados, cabras-bravas e raposas… A outra mais-valia do projeto centrar-se-á nas quintas pedagógicas, dedicadas, como já foi dito, a bovinos, ovinos, caprinos, equinos, suínos, galináceos, aves, canídeos, entre outras espécies, mas a sua introdução obedecerá a um processo gradativo.

Cada animal usufruirá de um espaço de cercado ou gaiola, adaptado com estruturas de alojamento (e abrigo), comedouro, bebedouro e vegetação própria.

A iniciativa prevê a incorporação e o fecho dos habitats, assim como a instalação de novas tecnologias, numa perspetiva de realidade aumentada e de informação ao visitante.

Litigância para continuar?

O técnico municipal Luís Macedo referiu, em recente reunião de Câmara, que o projeto em causa está “circunscrito a Cabana Maior” e que “a questão está resolvida com a autorização da Assembleia de Compartes de Cabana Maior”.

Mas, segundo a Carta Administrativa, o Parque Biológico do Mezio fica, no todo ou em parte substancial, localizado em território administrativo de Soajo e, para acentuar o imbróglio, os compartes de Soajo inviabilizaram a 19 de dezembro de 2016 o avanço do projeto.

“Nós baseámo-nos no único documento oficial que existe”, justificou na altura a presidente do Conselho Diretivo dos Baldios de Soajo, Cristina Martinho.

Com estes factos em cima da mesa, não se sabe bem se tudo estará efetivamente resolvido…

IMG_9137

2357402_vO7RD

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:33

Terça-feira, 29.05.18

Apoio municipal para Associação Moving Cause

MC

A Câmara Municipal de Arcos de Valdevez aprovou, à condição, um apoio de "5 mil euros" a favor da Associação Moving Cause, que está sediada em Soajo.

Segundo a vereadora do Associativismo, metade da verba acordada destina-se a custear um conjunto de “ações a desenvolver ao longo do ano, nomeadamente a participação na Feira de Soajo, através das tasquinhas de artesanato, e no fiadeiro”.

Segundo acrescentou Emília Cerdeira, a atribuição dos restantes 2500 euros dependerá da realização do Encontro Ser EducAção, cuja primeira edição ocorreu em 2015.

A Associação Moving Cause, fundada em 2009, é presidida por Joana Costa.

Foto: Encontro Ser EducAção de 2015

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:32

Terça-feira, 29.05.18

Chuva cancela simulacro desta quarta-feira

adDevido às condições climatéricas adversas previstas pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera, foi adiado o simulacro marcado para esta quarta-feira de tarde (30 de maio) em Vilar de Suente.

A iniciativa, inserida no âmbito do programa “Aldeia Segura”, deverá realizar-se no próximo dia 5 de junho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 17:21

Segunda-feira, 28.05.18

Vilar de Suente testa programa “Aldeia Segura” com realização de simulacro

33745342_188965918592476_7540718263915773952_n

O lugar de Vilar de Suente é um dos primeiros do concelho de Arcos de Valdevez e do distrito de Viana do Castelo a lançar o programa “Aldeia Segura, Pessoas Seguras” com vista à criação de estratégias de proteção contra incêndios. O simulacro de retirada de pessoas decorrerá esta quarta-feira, 30 de maio (16.00). Os residentes serão avisados por sinal de sino e altifalante.

A iniciativa, que resulta da articulação entre a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), o Comando Distrital de Operações de Socorro de Viana do Castelo, o Serviço Municipal de Proteção Civil e a Junta de Freguesia de Soajo, visa treinar o pequeno aglomerado de Vilar de Suente que tem bem fresca na memória a história recente de incêndios com evacuação de casas.

De modo resumido, e segundo a ANPC, o programa a implementar engloba cinco grandes pilares: proteção dos aglomerados (segurança de pessoas e bens); prevenção de comportamentos de risco; sensibilização e aviso à população; evacuação dos aglomerados; locais de abrigo e refúgio.

O denominado “oficial de segurança da aldeia” é uma figura de vincada importância para que esta metodologia seja bem-sucedida. O vilarense Carlos Cerqueira dos Santos é o agente (voluntário) escolhido para “guiar” a população local num cenário de catástrofe (que ninguém espera viver na realidade no futuro). Foi nomeado por ter, a priori, o perfil indicado, nomeadamente capacidade de liderança, conhecimentos em matéria de segurança e respeito por parte da população.

É a pensar na prevenção e na redução de efeitos provocados por (possíveis) incêndios que este oficial de segurança está incumbido de difundir avisos aos conterrâneos e organizar evacuações de casas/residências, para além da promoção de ações de consciencialização sobre incêndios junto dos conterrâneos para que estes evitem comportamentos de risco.

Com base no plano definido no passado, o local de refúgio neste simulacro é o largo em frente à Associação de Vilar de Suente, para onde a população se deve abrigar no caso de as chamas ameaçarem o lugar algum dia.

De resto, no âmbito desta ação, segundo disse o técnico municipal, Luís Macedo, em reunião de Câmara no passado dia 25 de maio, a ANPC procederá, de igual modo, à distribuição de “sinalética, kits de autoproteção e equipamentos de primeiros socorros”. Também serão fornecidos líquidos e alimentos à população para garantir condições à permanência no local o tempo que for preciso em caso de urgência.

Para acautelar situações futuras, na reunião do dia 26 ocorrida em Vilar de Suente, os residentes, com base na experiência recente, referiram a falta de pontos de água e o pouco conhecimento do terreno por parte do comando/dispositivo operacional como fatores críticos ao combate de incêndios.

O programa “Aldeia Segura”, lançado recentemente pelo Governo, abrange, só neste concelho, um total de 190 lugares. Destes, 67 estão identificados como sendo de primeira prioridade (é o caso de Vilar de Suente) e os restantes 123 de segunda prioridade.  

Para além de Vilar de Suente, será realizado, no mesmo dia, um segundo simulacro, mais concretamente no lugar de S. Sebastião de Cima (Cabreiro).

33690378_188965791925822_8353696878025506816_n

33812649_188965805259154_4081531941357092864_n

33316630_188965765259158_4049957394791268352_n

33864849_188965911925810_8269494761446965248_nFotos: Fernando Gomes

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:33

Sexta-feira, 25.05.18

Rusga da Casa do Povo da Vila de Soajo nas festividades de Cabana Maior

P_20170617_205942

A Rusga da Casa do Povo da Vila de Soajo participa, esta sexta-feira, 25 de maio, no desfile de grupos de raiz popular no âmbito da romaria em honra de N.ª Sr.ª de Fátima, na freguesia de Cabana Maior.

A partir das 21.30, de hoje, é de esperar muito público para assistir ao desfile de mais cinco rusgas (Cabana Maior, Amigos de Guilhadeses e Vila Fonche, Giela, Loureda e Tuna de Aguiã).

A ordem de entrada das rusgas em palco será determinada por sorteio.

Foto de arquivo

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 16:17

Pág. 1/4



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2018

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031