Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.



Sexta-feira, 29.06.18

A partir de domingo é proibido o uso do fogo em espaços florestais e agrícolas

1170844

De acordo com o Sistema de Defesa da Floresta Contra Incêndios, o chamado período crítico começa este domingo, 1 de julho, e vai até 30 de setembro. Sem prejuízo de haver alterações ao calendário (em 2017 o mesmo foi prorrogado), durante este hiato temporal deverão ser asseguradas medidas especiais de prevenção contra incêndios florestais, como recomenda o ICNF.

Sendo assim, não é permitido em espaços florestais e agrícolas fazer queimas e queimadas; fumar, fazer lume ou fogueiras; lançar foguetes e balões de mecha acesa; fumigar ou desinfestar apiários, salvo se os fumigadores estiverem equipados com dispositivos de retenção de faúlhas; fazer circular tratores, máquinas e veículos de transporte pesados que não possuam extintor, sistema de retenção de fagulhas ou faíscas e tapa chamas nos tubos de escape ou chaminés; e fazer piqueniques aquecidos.

As coimas para os infratores podem atingir dezenas de milhares de euros.

Nunca é excessivo alertar para o facto de a maior parte dos incêndios resultar de negligência humana. 

Foto: Público

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 16:23

Quinta-feira, 28.06.18

Vilar de Suente em festa

33851496_901612006693009_4927488147589169152_n

Realizam-se, de 29 de junho a 1 de julho, as festividades em honra de Santo António no lugar de Vilar de Suente.

O programa da festa, à volta do padroeiro de Vilar de Suente, é o seguinte (apenas o principal):

. 30 de junho (sábado): Charanga do Ribeirinho (14.00);  missa em honra de Nossa Senhora de Fátima (21.00), com procissão de velas acompanhada pelos escuteiros; grupo Novisom (22.30); fogo-de-artifício (24.00).

. 1 de julho (domingo): missa solene em honra de Santo António acompanhada pela Fanfarra de Braga (14.30); Rancho Folclórico de Vilarinho das Quartas (16.00); Rusgas de Cabana Maior; entrega da festa (19.00).

20116852_4gzf3

 Fotos: Página Vilar de Suente (Facebook) e Soajo em Notícia

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:12

Quarta-feira, 27.06.18

Convívio de S. Pedro à volta dos sabores e da música de raiz popular

P_20170630_190836

Na próxima sexta-feira, 29 de junho, festeja-se o S. Pedro em Soajo.

O Rancho Folclórico das Camponesas da Casa do Povo da Vila de Soajo promove, pelo segundo ano consecutivo, o convívio à mesa com um recheado menu, que inclui sardinhas, fêveras, barriguinhas, caldo-verde e broa. O arraial também não vai faltar.

A festa começa às 20.00.

Foto de arquivo

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:30

Terça-feira, 26.06.18

Festejos de S. João na Casa do Povo (ver fotorreportagem)

IMG_0966

O São João voltou a ser uma festa de arromba na Casa do Povo de Soajo. Aqui, como de costume, o ponto alto foi o convívio à mesa. Mas a concertina e o bailarico também não faltaram no passado sábado, 23 de junho.

Contra o que dita a tradição, este ano não houve arco outra vez, apenas enfeites e alguns acessórios a decorar o espaço. Várias pessoas repararam nisso e nas redes sociais os emigrantes logo perguntam pelo arco esquecido que não se via em foto nenhuma…

Entretanto, perto das 19.00, o carvão arde nos fogareiros para as sardinhas frescas que foram pescadas na costa de Peniche (custaram 325 euros os cerca de 45 quilos de peixe). Os comensais chegam a conta-gotas e vão-se sentando. Numa volta pelas mesas, predomina a alegria entre as pessoas que vêm para comer, beber e conversar (algumas para dançar também). Aguardam pelas travessas de sardinhas que, segundo os peritos, já estão no ponto este ano, embora possam ficar ainda maiores nos próximos meses (há limitações na sua captura de 21 de maio a 31 de julho).

Na “sala” ao ar livre, com poucos lugares vagos, o bulício é grande nas mais de vinte mesas que acomodam cerca de 150 pessoas (houve quem dissesse que comia mais sardinhas…). Nas grelhas assam-se, agora, as barriguinhas e a azáfama é cada vez maior.

No meio da degustação dos petiscos e do caldo-verde, recortam-se e distribuem-se rifas pelos interessados em ajudar a custear os comes e bebes. Desta feita, a sorte sorriu a Félix Fernandes (de Cunhas), que levou para casa um presunto.

A noite cai. Aproxima-se o arraial. O bailarico há de ser, como quase sempre, improvisado – os cantares e as danças, ao som das concertinas, tomam conta do recinto.

Daqui a um ano, volta a festejar-se o S. João…

IMG_0823

IMG_0838

IMG_0856

IMG_0843

IMG_0849

IMG_0886

IMG_0892

IMG_0894

 

IMG_0862

IMG_0976

IMG_0842

IMG_0828

IMG_0852

IMG_0854

IMG_0917

IMG_0921

IMG_0910

IMG_0993

IMG_0994

 

IMG_0943

IMG_0880

IMG_0871

IMG_0877

IMG_0895

IMG_0900

IMG_0903

IMG_0909

IMG_0927

IMG_0925

IMG_0926

IMG_0948

IMG_0933

IMG_0868

IMG_0944

IMG_0978

IMG_0959

IMG_0963

IMG_0979

IMG_0986

IMG_0991

IMG_1002

IMG_0998

IMG_1000

IMG_1003

IMG_1006

IMG_1012

IMG_1008

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:15

Segunda-feira, 25.06.18

Soajo foi "um dos sítios do salto para a grande aventura durante a Ditadura”

imgpsh_fullsize (1)

A Associação de Exilados Políticos Portugueses (AEP61-74), em parceria com a Junta de Freguesia de Soajo, organizou, no passado dia 23 de junho, o encontro “Soajo-Trilhos do Salto”. A iniciativa integrou-se no objetivo de fazer um documentário sobre Soajo, localidade que foi uma importante passagem de fronteira para muitos dos exilados que saíram de Portugal entre 1961 e 1974.

“Este é um tema duro, muito específico e que relata memórias relativas a uma parte da população portuguesa”, disse ao blogue Soajo em Notícia Fernando Cardoso, presidente da AEP. “Dos cerca de 1 milhão de jovens portugueses que foram mobilizados para as colónias portuguesas, 200 mil recusaram ir à guerra e foram praticantes do salto, alguns muito profissionais como o presidente da Junta [Manuel Barreira da Costa], o José Dias e eu próprio”, acrescentou o dirigente.

Este salto “era um salto para o desconhecido, um salto para um sítio que não sabíamos onde era e apenas sabíamos que não queríamos o que estava para trás de nós. Era uma decisão absolutamente irreversível. Era recusar a guerra, um país repressivo, sem liberdade, cinzento, um país onde havia licença de isqueiro e onde não se podia beijar a namorada na rua”, conta Fernando Cardoso.

Volvidos estes anos todos, o sentimento é de que valeu realmente a pena ter passado para o lado da esperança. “Ainda bem que arriscámos e que saímos deste país onde não se podia viver. Os praticantes do salto conheceram novos países, novas fronteiras, novas culturas e novas pessoas. Penso que nenhum deles se arrepende de ter dado este passo no desconhecido”, diz, taxativo, o presidente da AEP.

Soajo foi, justamente, um dos sítios onde muitos portugueses passaram a salto (Marvão, Vila Verde da Raia, Vilar Formoso ou Campo Maior foram outras conhecidas localidades de fronteira) e o afamado passador soajeiro João Fernandes (“Miúdo”), de 82 anos, presente neste encontro, ouviu testemunhos superlativos sobre a atividade clandestina dele. “Nós fomos praticantes, mas João Fernandes era um treinador encartado e foi ele que treinou vários praticantes do salto em Soajo”, disse dele Fernando Cardoso, com José Dias, 2.º secretário do Conselho Fiscal, a reforçar o enfoque na “polivalência” do homem de Cunhas que “ajudou” muitos compatriotas e conterrâneos a “encontrar o caminho das pedras”.

“O João foi, talvez, o primeiro passador sobre quem se escreveu uma biografia – Passagens de um passador: História de vida de João Fernandes –, livro que releva a sua notável personalidade de contrabandista, passador e falsificador de passaportes. Resolveu muitos problemas de gente que estava entalada como aconteceu comigo”, agradeceu José Dias, experiência que também foi vivenciada por Manuel Barreira da Costa.

“O João ‘Miúdo’ foi o meu embaixador, foi ele que me pôs no Canadá, […] mas como eu era um pouco mais rico paguei 15 contos e não cinco (contos)”, atirou o presidente da Junta de Freguesia, que presenteou a AEV com o brasão de Soajo e um prato decorado com os espigueiros da Terra.  

Apelo

Na sua alocução, o presidente da AEP difundiu um desafio pelos autarcas de fronteira. “Queria que o presidente da Junta de Soajo e todos os presidentes de junta da raia portuguesa pensassem na criação de um museu do salto, não um museu morto, mas um museu vivo, com milhares de histórias vivas. Só assim preservaremos a História contemporânea e só assim é que esta será contada aos nossos netos”, exortou Fernando Cardoso, que revelou a recetividade da Associação para participar num projeto desta natureza.

***

Cinco perguntas a Fernando Cardoso, presidente da Associação de Exilados Políticos (AEP)

“Passar uma fronteira entre um país e outro era um salto para o desconhecido”

IMG_0810

  1. Em que âmbito se inseriu este roteiro a Soajo?

A AEP tem o projeto “Os Trilhos do Salto” que visa fazer um documentário sobre as várias passagens entre as fronteiras portuguesa e espanhola durante os anos da Ditadura. Ora, Soajo é um desses sítios. O nosso plano é fazer um pequeno documentário para cada uma das localidades da raia, a que chamaremos “Os Trilhos do Salto” […] dos exilados que saíram de Portugal entre 1961 e 1974. [Em cima da mesa está também a produção de um documentário televisivo sobre os vários trilhos do salto]

  1. O que é que resultou da visita efetuada à Várzea?

Fizemos uma espécie de reconhecimento tardio do local, que, hoje, está submerso pela barragem de Soajo/Lindoso. Como não se pode refazer o trilho, o José Dias, que foi um dos elementos que passaram por Soajo, sugere que se refaça a ideia do trilho. Foi nisso que ficamos de pensar.

  1. O que era passar a fronteira e deixar um país para trás?

Passar uma fronteira entre um país e outro era um salto para o desconhecido para muitos que sem isso nunca teriam tido a possibilidade de viajar para nenhuma parte que não a própria aldeia… Muitos foram daqui para Paris (França), Holanda, Dinamarca, Suécia… O salto era uma grande aventura.

  1. Quais os caminhos usados para o salto?

As pessoas que se exilavam e emigravam utilizavam os circuitos pré-establecidos do contrabando, porque eram circuitos testados e seguros. Eram conduzidas por um passador que sabia o caminho e conduzia as pessoas para esse desconhecido, porque a maior parte destas nem sequer se tinha aproximado algum dia da fronteira.

  1. A História ainda está por fazer?

A História está a ser feita progressivamente. A AEP publicou dois livros [Exílio I e Exílio II] com cerca de cinquenta testemunhos – todos passaram a fronteira dessa maneira. Os testemunhos não são só sobre a passagem da fronteira, mas também incluem essa passagem de fronteira.

***

Testemunhos

. “O livro Passagens de um passador foi um dos que mais influenciaram a iniciativa ‘Os Trilhos do Salto’. É um trabalho que está feito com grande rigor científico e devidamente documentado. […] Obrigado, meu querido João Fernandes, por ter sido tão útil a mim e à minha família!” (José Dias)

. “Foi através de José Dias que foi possível reunir este grupo de pessoas para falar do passado. Hoje [23 de junho], vimos caminhos por onde já passámos noutras condições, uns para fugir à política fascista e outros por necessidade, como foi o meu caso. Emigrei por necessidade. Na altura, não percebia nada de política, ainda hoje não percebo, apesar de estar nos órgãos da Junta. Cada vez percebo menos!” (Manuel Barreira da Costa)

. “[…] O salto: a fuga por montes e vales, os passaportes carimbados pelo medo, […] homens quase meninos transportados como rebanhos, batalhões e batalhões de clandestinos, o contrabando de homens para vergonha de um país isolado! Acossado pela Guerra Colonial, o meu país em debandada para o desconhecido!” (Luís Barbosa)

. “[No tempo do fascismo], tínhamos medo do vizinho do lado e voltámos a ter medo…Porque é que o Trump ganhou as eleições? Porque as pessoas têm medo e há gente que ainda hoje continua a votar com medo”. (Eduarda)

. “Experimentei o salto de várias maneiras. Fiz parte do grupo de estudantes que provocou a crise de 1962, fui preso nesse ano em Caxias. Tenho a experiência da prisão, do contacto e dos interrogatórios da PIDE. Apesar das dificuldades por que passámos, por causa dos perigos que o fascismo representava, tive a felicidade de viver grandes momentos na cadeia. O grupo de 42 pessoas foi uma grande força […].” (Jacinto Rodrigues)

imgpsh_fullsize (5)

imgpsh_fullsize (2)

IMG_0694

IMG_0697

 

IMG_0801

IMG_0799

IMG_0784

IMG_0742

IMG_0746

IMG_0712

IMG_0740

IMG_0766

IMG_0727

IMG_0792

IMG_0796

IMG_0772

IMG_0751

IMG_0758

IMG_0818Fotos: Soajo em Notícia e Fernando Gomes

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 17:30

Pág. 1/5



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Junho 2018

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930