Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.


Sexta-feira, 18.01.19

Soajo na lista de áreas prioritárias para limpeza de combustíveis

IMG_8238

O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) classificou 1142 freguesias de Portugal Continental como sendo áreas prioritárias para a fiscalização da gestão de massas combustíveis em matas, terrenos e florestas. 

De acordo com o Despacho n.º 744/2019, publicado em Diário da República, esta quinta-feira, 17 de janeiro, a freguesia de Soajo é considerada de primeira prioridade. Nesta lista, incluem-se, de igual modo, Álvora/Loureda, Cabreiro, Gavieira, Gondoriz, Grade/Carralcova e Sistelo.

O prazo para executar a limpeza nas localidades prioritárias termina a 15 de março.

Nos casos em que haja incumprimentos, as câmaras substituem-se aos privados infratores, os quais ficam sujeitos a coimas.

O secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas, exorta a comunidade a um “reforço da atitude preventiva” a fim de “consolidar” os trabalhos de gestão de combustíveis iniciados há cerca de um ano.

Entretanto, desde o passado dia 15 de janeiro que a GNR iniciou em todo o território nacional a operação “Floresta Segura 2019”.

O Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) e o Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS), em articulação com a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) e o ICNF, vão promover “ações de sensibilização com o intuito de alertar para a importância dos procedimentos preventivos a adotar”, diz a GNR em comunicado.

Estas ações, dirigidas especialmente a autarquias, produtores florestais, agricultores e população escolar, estarão centradas à volta de comportamentos como o “uso do fogo em queimas e queimadas”, a “limpeza e remoção de matos”, a “manutenção das faixas de gestão de combustível” e a implementação de “medidas de proteção dos aglomerados e de autoproteção”, no âmbito dos programas “Aldeia Segura” e “Pessoas Seguras” (que já foram testados em 2018 no lugar de Vilar de Suente) – o facto de alguns munícipes se comportarem, ao abrigo dos referidos projetos, como agentes de proteção civil ajudará, dizem os especialistas, à redução do número de fogos no futuro e à diminuição da severidade dos mesmos.

Mas para se conseguir este desiderato as autoridades reclamam o empenho de todos na salvaguarda de pessoas e bens. Neste sentido, estão identificadas, pelo menos, três práticas preventivas de vincada importância: criar uma faixa de proteção de cinquenta metros à volta das casas; remover folhas, ramos e caruma da cobertura de habitações; manter o caminho de acesso a casa limpo e desimpedido. De realçar que dentro das faixas de segurança, nem tudo é para limpar/cortar, devendo-se preservar as espécies autóctones (carvalhos, castanheiros...).

Como a lei prevê, o acompanhamento dos agentes de autoridade será repartido por várias fases. “A fase de planeamento e execução de ações de sensibilização e de fiscalização” está subjacente às anteditas faixas de gestão de combustível, posteriormente, na fase de “reforço de patrulhamento e vigilância” dar-se-á enfoque à prevenção de comportamentos de risco, bem como deteção e combate de incêndios rurais, com o intuito de “garantir a segurança das populações, do seu património e do tecido florestal nacional”.

Na fase de combate aos incêndios rurais, serão empenhadas forças do GIPS, “em apoio à ANPC, através de “meios terrestres e helitransportados em ações de ataque inicial e ampliado/estendido”. Já o SEPNA “garantirá a validação, medição das áreas ardidas e investigação das causas dos incêndios”.

Para a GNR, “a proteção de pessoas e bens vai continuar a assumir-se como uma das prioridades da Guarda, sustentada numa atuação preventiva, com o envolvimento de toda a população e demais entidades públicas e privadas, o que permitiu, em 2018, comparativamente com 2017, reduzir em 40% as ocorrências de incêndio e em mais de 92% a área ardida” em Portugal.

No contexto regional, segundo os dados apurados de 1 de janeiro a 31 de agosto de 2018, o registo de incêndios fora do período crítico aumentou em 8% face a igual período de 2017.

“É notório que, fora do período crítico, muitos ainda assumem riscos realizando queimadas e queimas de sobrantes em condições ilegais e de muito risco”, disse recentemente o coronel Agostinho Cruz, comandante do Comando Territorial de Viana do Castelo.

“Este comportamento irá ser, pela nossa parte, objeto de intervenção ainda mais assertiva”, avisa o responsável.

Por outro lado, no mesmo período de referência, as ações de patrulhamento (defesa da floresta contra incêndios) aumentaram em 100% no Alto Minho, onde os incêndios na fase crítica (desde 1 de julho) diminuíram para cerca de metade em relação a 2017.

No concelho arcuense, foram contabilizados 182 incêndios florestais no ano findo.

jkhk

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:18

Terça-feira, 15.01.19

Parque Nacional retratado em exposição

50184519_10216887711680974_8402159253179072512_nO Museu da Imagem, em Braga, acolhe, até 27 de janeiro, a exposição “Olhares Secretos do Parque Nacional”, da autoria do fotógrafo alto-minhoto Carlos Pontes.

No conjunto de imagens mais emblemáticas, contam-se a raposa, o lobo-ibérico, a cabra-montês, a lontra europeia (foto que ilustra o artigo), a flora de espécies abundantes, os nevões na serra, os desfiladeiros e os ambientes inóspitos do único Parque Nacional.

A exposição pode ser visitada nos dias úteis (exceto segunda-feira), das 11.00 às 18.30, e nos fins de semana, das 14.30 às 18.30.

A entrada é gratuita.

Foto: Carlos Pontes

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:32

Segunda-feira, 14.01.19

Primeira organização dos cantares ao Menino Jesus juntou associações de três concelhos diferentes

IMG_9815O ciclo de festejos natalícios teve continuidade no passado dia 12 de janeiro com o primeiro encontro de cantares ao Menino Jesus na Igreja Paroquial de S. Martinho da Vila de Soajo.

Foram do agrado do público presente os cânticos maioritariamente entoados a capella (sem instrumentos musicais) pelos ranchos folclóricos de Vilarinho das Quartas e de Bravães (Ponte da Barca), assim como pela Associação das Cantadeiras do Vale do Neiva (Viana do Castelo).

De realçar o papel cada vez mais ativo do Rancho de Vilarinho das Quartas na preservação, valorização e difusão da cultura local.

A quadra festiva encerrou no domingo, 13 de janeiro, com o almoço de Reis, que a Associação dos Amigos de Vilarinho das Quartas organizou na sede da respetiva coletividade.

IMG_9820

IMG_9827

IMG_9833

IMG_9835

IMG_9830

IMG_9851

IMG_9842

IMG_9844

IMG_9875

IMG_9855

IMG_9859

IMG_9919

IMG_9900

IMG_9913

IMG_9971

IMG_9925

IMG_9882

IMG_9979Fotos: Marta Araújo

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:33

Quarta-feira, 09.01.19

Cantares ao Menino Jesus

I EncontroA quadra festiva prossegue no próximo fim de semana com mais dois atos em Soajo.

O dia 12 de janeiro (21.00) assinala o I Encontro de Cantares do Ciclo Natalício na Igreja Paroquial de Soajo. A iniciativa emparceira o Rancho Folclórico da Associação de Vilarinho das Quartas, a Associação das Cantadeiras do Vale do Neiva e o Rancho Folclórico de Bravães.

A antedita Associação de Vilarinho também promove no domingo, 13 (pelas 13.00), o tradicional almoço de Reis, na sede da referida coletividade.

imgpsh_fullsize

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:09

Terça-feira, 08.01.19

Trilho de Soajo em candidatura para ser homologado pela Federação

IMG_4029

O percurso “Caminhos do Pão, Caminhos da Fé” integra uma candidatura que a CIM Alto Minho vai efetuar no próximo dia 11 de janeiro com vista à sua homologação pela Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal (FCMP).

No âmbito da iniciativa “Alto Minho Greenways4you”, foram aprovados pela Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, no passado dia 4 de janeiro, os termos de referência para o fornecimento de sinalética interpretativa, direcional e de segurança, bem como a disponibilização do plano de marketing e comercialização da rede, com o objetivo de valorizar e promover o trilho “Caminhos do Pão, Caminhos da Fé” (pequena rota). Também o “Trilho do Glaciar e do Alto Vez” (Sistelo) figura na lista.

O famoso trilho de Soajo, com uma extensão de cinco quilómetros, é uma pequena viagem com vários pontos de interesse: ciclo do pão (cultura do milho, que praticamente já não existe), núcleo de moinhos, espigueiros e caminhos da fé.

Para a vereadora do Desporto, “as necessidades identificadas nesta operação são a sinalização dentro do perímetro, as placas de identificação e os painéis interpretativos no início e no fim do percurso”, sublinha Emília Cerdeira, estimando 16 mil euros para a componente de sinalização e um preço base de 4990 euros para o plano de marketing adstrito ao concelho arcuense.

Se tudo correr como o esperado, os trilhos a candidatar verão atribuída uma carta de homologação emitida pela FCMP. Esta carta é um certificado de qualidade com validade de cinco anos, período durante o qual o Município de Arcos de Valdevez terá de manter estes percursos de pequena rota nas devidas condições.

A homologação dos trilhos é uma garantia da entidade certificadora em relação à prática do pedestrianismo, segurança dos caminheiros, salvaguarda do meio onde a modalidade se realiza e uma aposta na divulgação da atividade dentro e fora de portas.

Atualmente, "o trilho da Peneda é o único que se encontra homologado a nível concelhio", mas o trilho interpretativo do Mezio, pelo menos, já "está sinalizado" conforme os procedimentos recomendados, segundo revela Emília Cerdeira.

Para além dos percursos referidos, a Câmara Municipal de Arcos de Valdevez equaciona a possibilidade de “alargar o número de trilhos com certificação, havendo verba para esse efeito”, adianta o presidente da edilidade.

“É importante estarmos em rede e em articulação com outras redes europeias, pois os trilhos são um grande motivo de visitação”, justifica João Manuel Esteves.

Esta ação da CIM Alto Minho, abarcando um total de 258 mil euros, visa a promoção do património natural e paisagístico, a divulgação de pequenas rotas e a difusão da prática pedestrianista.

IMG_4073

IMG_4012

IMG_4026

IMG_3956

IMG_3977

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Soajo em Notícia às 18:00


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2019

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728