Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.

O ano que vem, como sempre acontece, vai trazer aumentos, congelamentos e descidas de preços.

Vamos por partes. O Orçamento do Estado para 2021 muda a fórmula de cálculo do imposto sobre o tabaco, medida que, de acordo com as estimativas da consultora Deloitte, deverá implicar um aumento do imposto em cerca de cinco cêntimos por maço de tabaco, o que “corresponderá a um aumento de 10 cêntimos no preço de venda ao público do mesmo maço”.

Também o preço do pão deverá subir. O aumento do salário mínimo nacional, de 635 para 665 euros, nas palavras da indústria de panificação, pode ditar um aumento do preço de venda do pão.

“Olhando para a situação económica e financeira do país, [tendo em conta] o aumento do salário mínimo nacional para 2021 e o aumento gradual do preço das matérias-primas, podemos perspetivar que isso será refletido no preço do pão”, disse à Lusa a Associação do Comércio e da Indústria de Panificação, Pastelaria e Similares. De referir que o peso e o preço do pão são livres.

Ao invés, o preço da eletricidade para os consumidores do mercado regulado vai descer 0,6% a partir do início de janeiro, segundo anunciou a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos. Esta baixa vai beneficiar os consumidores que ainda permanecem no mercado.

Por seu lado, o coeficiente de atualização para o arrendamento urbano e rural apurado pelo INE para vigorar de 1 de janeiro a 31 de dezembro de 2021 é de 0,9997%, o que, na prática, dita uma manutenção dos preços das rendas. Este coeficiente de atualização aplica-se às rendas em regime livre, para habitação com renda condicionada e para arrendamento não habitacional, no caso de as partes, inquilino e senhorio, não terem acordado condições diferentes.

De igual modo, os preços das portagens nas autoestradas deverão voltar a manter-se em 2021. Também os preços do transporte público coletivo de passageiros vão continuar inalterados em 2021, segundo a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes.

Em relação às operadoras de telecomunicações, a MEO comunicou que procederá a uma atualização de preço base de mensalidade em tarifários/pacotes, com efeitos a partir 1 de janeiro de 2021, de acordo com o previsto contratualmente, sendo que os clientes abrangidos, segundo a empresa do grupo Altice, serão previamente informados.

Por seu lado, a NOS não vai proceder a alterações de preços em 2021, enquanto a Vodafone adianta que “não estão previstos aumentos generalizados de preços”.

Foto | Executivo Digest