Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.

A DECO Minho tem recebido muitas reclamações de consumidores do Alto Minho “insatisfeitos com a prestação de serviços da empresa Águas do Alto Minho (AdAM)”, que, desde o início de 2020, tem o contrato de concessão da exploração de águas e saneamento em sete municípios do distrito de Viana do Castelo, Arcos de Valdevez incluído. Segundo a Defesa do Consumidor, “as reclamações respeitam, na sua maioria, a erros de leitura, cobrança de taxas de saneamento em zonas ainda não servidas pela rede pública para o efeito, aumento exacerbado das tarifas da água, entre outras”.

Para este organismo, “a atuação lesiva da empresa AdAM agravou-se nas últimas semanas, período em que vigora o estado de emergência nacional. Se a prestação de serviços desta empresa já prejudicava os direitos e interesses económicos dos consumidores, nesta crise pandémica em que muitas famílias veem o seu rendimento diminuído, os seus erros têm repercussões graves nos orçamentos das famílias minhotas”.

A DECO Minho sublinha que “existe um incumprimento por parte desta empresa, sendo exigível às autarquias uma tomada de posição para que a situação seja regularizada sem custos para os consumidores, devendo haver compensação de todas as cobranças indevidamente efetuadas, acompanhada da suspensão da cobrança até à regularização dos serviços por parte da empresa”.

Os consumidores “não podem ser penalizados pelos erros e atrasos na organização administrativa da empresa AdAM”, diz a DECO Minho, que aconselha os clientes lesados a “reclamarem das suas faturas”, ao mesmo tempo que se “disponibiliza para apoiar e mediar os conflitos”.

A DECO Minho presta apoio através do número de telefone 258 821 083, bem como do endereço eletrónico deco.minho@deco.pt.