Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.

De volta em julho passado a Soajo, onde passou muitos verões na adolescência, o presidente da Associação de Bloggers de Viagem Portugueses ficou ainda mais rendido à terra que sugere como destino de férias para descobrir “pessoas maravilhosas”, trilhos pedestres, miradouros com “vistas deslumbrantes”, lagoas de “água gelada” e paisagens “inspiradoras”.

Em entrevista ao programa “Eu fico em Portugal”, da Antena 1, Filipe Morato Gomes justifica a escolha. “Durante alguns dias, andei a explorar a região de Soajo com calma e com tempo, foi um redescobrir, um voltar a lugares que me eram familiares. Este regresso à adolescência significou o reviver de antigos verões passados a acampar no Parque Nacional, a tomar banho nas lagoas de águas geladas, a ir à padaria de Soajo todas as manhãs comprar pão, enfim, para mim, foi uma redescoberta de uma localidade aonde já não ia há cerca de 15 anos”, conta.

Apesar dos fortes índices de interioridade que fustigam o território há anos, o conhecido blogger de viagens ficou surpreendido com o pulsar e o dinamismo que “puxam” por Soajo. “Mudou muito… Aquilo que mais me chamou a atenção foi o facto de eu sentir muita vida, é uma ‘aldeia’ com muita gente, não só velhos como também jovens, indivíduos novos com dinamismo e com projetos. Eu não estava à espera de ver uma ‘aldeia’ tão dinâmica”, elogia.

Mas os pequenos “nadas” do dia-a-dia, que combinam tradição e autenticidade, são incontornáveis no bloco de notas de Filipe Morato Gomes. “Assisti a coisas tão simples como acordar de manhã na minha pequena casa de turismo rural e ouvir a Dona Teresa Júlia, uma ‘jovem’ de oitenta e tal anos, a cantar sozinha (em verso) com toda a naturalidade enquanto trabalhava de enxada na mão, estando eu discreto na janela do alojamento a ouvir. Neste aspeto, Soajo não mudou muito, a alma da localidade continua a ser a sua gente e a maravilhosa Dona Teresa Júlia revela a autenticidade do lugar”.

Porta de entrada do Parque Nacional, o Mezio convida a um roteiro com vários caminhos para “desbravar Soajo (e não só)”. “Descobri alguns miradouros que não conhecia, fiz trilhos pedestres à volta de Soajo, na companhia de Manuel Lage, um habitante de Soajo que teve a amabilidade de me levar por caminhos que eu não conhecia, revisitei Lindoso, voltei às lagoas da Travanca onde percebi que construíram uns passadiços que não havia na altura da minha adolescência, aligeirando a dificuldade do caminho, isto quando as minhas memórias me levavam mais a andar por entre fetos e sanguessugas até chegar às lagoas geladas”.

As sugestões são muitas, mas para um viajante desprevenido que chegue a Soajo sem nada previsto como roteiro, imperdível mesmo é “visitar, por exemplo, o miradouro Meandros do Lima, em Cunhas, com uma vista absolutamente extraordinária para uma curva do rio Lima, fazendo lembrar, com as devidas aspas, o Horsebend Shoe [referência à curva do rio Colorado, no Arizona, Estados Unidos], ou descobrir a terra pelas pessoas que a habitam, porque são elas que fazem a riqueza deste lugar (e de todos os lugares)”, nota Filipe Morato Gomes, fundador do blogue Alma de Viajante.

Fotos: Blogue Alma de Viajante

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.