Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.

As instituições e os empresários soajeiros estão muito atentos ao programa de valorização económica de recursos endógenos (PROVERE), instrumento destinado a territórios de baixa densidade.

No Alto Minho, a estratégia de eficiência coletiva é promovida pelo MINHO IN (O Novo Norte-QREN), consórcio de instituições regionais (CIM Alto Minho à cabeça) que tem por base o aproveitamento das paisagens, do património e dos produtos do Minho como recurso económico e turístico.

No caso de Soajo, o investimento centra-se na agropecuária e no desenvolvimento turístico, nomeadamente o turismo residencial, o turismo de natureza, os produtos identitários e a criação de equipamentos complementares à atividade turística.

Apresentam-se, a seguir, os projetos submetidos ao MINHO IN por soajeiros ou instituições sediadas em território de Soajo, os quais totalizam um investimento elegível superior a 1,5 milhões de euros.

No conjunto de iniciativas ancoradas na endogenia, inclui-se a Produção de animais da raça cachena (DOP), do promotor Ricardo Alexandre Cunha Fernandes, através de um investimento de 102 mil euros.

No plano da animação e dos alojamentos turísticos, contam-se o Agroturismo/Spa – Serra de Soajo, por iniciativa de Maria Amélia da Cruz Pereira Barreira, com 200 mil euros de investimento; e o Alojamento turístico e animação turística, projeto submetido por Turismo de aldeia das Casas do Cavaleiro e Eira da Lage Unipessoal Lda., no montante de 200 mil euros.

Também foram candidatados a ajudas comunitárias o Centro de animação da montanha/Porta do PN, sob proposta da ARDAL, abrangendo um investimento de 600 mil euros; o Sumidouro de carbono do Vale do Lima, igualmente da ARDAL, com um investimento de 300 mil euros; bem com um projeto para o Desenvolvimento de Soajo tendo como promotora a ADERE-Soajo (120 mil euros de investimento total elegível).

Na certeza de que os projetos trabalhados numa perspetiva de rede serão mais facilmente aprovados, os promotores das várias iniciativas candidatadas ao MINHO IN têm os olhos postos na competitividade e na coesão territorial, estando o referido instrumento, como se disse acima, orientado para localidades de baixa densidade, caso de Soajo.