Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.

Soajo em Notícia

Este blogue pretende ser uma “janela” da Terra para o mundo. Surgiu com a motivação de dar notícias atualizadas de Soajo. Dinamizado por Rosalina Araújo e Armando Brito. Leia-o e divulgue-o.

Achados arqueológicos na serra de Soajo. Um grupo de investigadores portugueses e galegos assegura, na revista científica Mediterranean Archaelogy and Archaeometry, que descobriu no Alto da Pedrada um dos “novos sítios” do norte de Portugal que fazem prova científica da presença militar romana no Noroeste Peninsular. Segundo o arqueólogo-chefe, estes “novos sítios” diziam respeito a “acampamentos militares”.

Em declarações à Agência Lusa, João Fonte, do grupo científico Romanarmy.eu, explicou que a descoberta deste “novo local” e de mais 24 no norte de Portugal e na Galiza só foi possível através do uso “de tecnologias de informação geográfica” (imagens de satélite, fotografias aéreas e sistemas de localização), ferramentas estas que trouxeram importantes contributos, isto quando as fontes sobre a presença dos militares romanos nestes territórios estavam reduzidas a elementos escritos.

Um dos locais descobertos com mais interesse arqueológico é, justamente, o do Alto da Pedrada, na serra de Soajo, com cerca de 1 hectare, o qual poderá ter acolhido, durante o final do século I a.C., “cerca de mil soldados”, refere o investigador, vendo semelhanças com um outro recinto, no vizinho concelho de Melgaço.

“A Lomba do Mouro [com cerca de 25 hectares] e o Alto da Pedrada estão muito bem conservados por estarem dentro da área do Parque Nacional e por não terem tido grande impacto antrópico”, sublinha João Fonte.

Para o arqueólogo, “podemos ter aqui dois momentos históricos diferentes, apesar de os dois locais terem um caráter claramente temporário, porque, para além da muralha, não parecem existir estruturas permanentes no interior e estão em zonas de montanha, onde a passagem era muito difícil, assim como o inverno”.

Após as pesquisas geofísicas, serão desenvolvidas sondagens arqueológicas para “datar e caracterizar estes locais”, revela João Fonte, atualmente em Inglaterra a realizar um pós-doutoramento.

Os trabalhos arqueológicos, no recinto de 10 mil metros quadrados, no Alto da Pedrada, deverão arrancar no “verão de 2020”, segundo disse o edil João Manuel Esteves em reunião de Câmara, no passado dia 25 de outubro.

Fotos: Teresa Araújo

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.